Operação de risco é rotina para os Seal

A operação de resgate realizada ontem na Somália pelos Seal foi típica: os soldados do time de forças especiais chegaram pelo ar, de grande altitude. Depois da queda livre vertiginosa e do uso da asa planeio pousaram no navio militar americano e entraram em ação. Na primeira chance, dispararam os fuzis M4 - três tiros, três mortos. Nada de excepcional na rotina desse time, considerado o mais bem preparado do mundo para missões incomuns.Acertar alvos móveis a distância é uma das habilidades requeridas dos soldados. Quase todas as informações sobre a equipe são secretas. Sabe-se que há dez grupos operacionais, cada um com 156 suboficiais e 27 oficiais. O treinamento dura 15 meses e só 20% chegam ao fim. Recebem instrução em tiro de precisão, mergulho, lutas marciais e uso de armas de vários tipos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.