Operação liberta reféns do Sendero Luminoso

Todas as 60 pessoas seqüestradas na segunda-feira, supostamente pelo grupo guerrilheiro peruano Sendero Luminoso, já foram libertadas, informaram "fontes do Exército peruano". Segundo os militares, os seqüestradores fugiram depois que comandos antiterror se aproximaram do vale do Rio Apurímac, a 380 quilômetros de Lima, para uma operação de resgate. A mesma fonte informou que dois aviões Hercules, helicópteros da Força Aérea e 300 soldados das forças especiais do Exército participaram da operação.Cerca de 200 homens armados invadiram, na segunda-feira, um acampamento da empresa argentina Techint, entre os Departamentos (províncias) de Ayacucho e Cuzco, e capturaram os trabalhadores. A Techint está encarregada da construção e manutenção de um gasoduto entre Camisea e Lima. A empresa identificou nesta manhã os sete estrangeiros (seis colombianos e um chileno) que estavam entre os reféns. Segundo informações procedentes de Bogotá, o ministro peruano da Defesa, Aurelio Loret de Mola, pediu a sua colega colombiana, Martha Lucía Rodríguez, assessoria para resolver o seqüestro. Loret de Mola evitou qualificar diretamente os seqüestradores como membros do Sendero Luminoso.Segundo fontes extra-oficiais, o Ministério avalia a possibilidade de que os responsáveis pelo seqüestro sejam camponeses da região ou ex-funcionários, em conflito com a empresa. Nas últimas semanas, uma onda de greves e manifestações de protesto vem abalando o Peru - o que obrigou o presidente Alejandro Toledo a declarar estado de emergência, vigente há duas semanas.Uma fonte local indicou que os seqüestradores estavam exigido resgate de US$ 1 milhão, além de uma lista de material explosivo, equipamento de comunicação e medicamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.