Operação paquistanesa liberta reféns e deixa 20 mortos

Comandos paquistaneses libertaram hoje dezenas de reféns mantidos por militantes islâmicos dentro do próprio quartel-general do Exército, encerrando uma sangrenta crise que estendeu-se por 22 horas e causou constrangimento às Forças Armadas do país em um momento no qual é planejada uma ofensiva contra a milícia fundamentalista islâmica Taleban e a rede extremista Al-Qaeda. Vinte pessoas morreram durante o impasse, entre elas três reféns e nove militantes, que usaram uniformes do Exército para promover o ousado ataque.

AE-AP, Agencia Estado

11 de outubro de 2009 | 14h10

A operação de resgate teve início da madrugada de hoje e terminou com a libertação de 42 reféns, informou o Exército. Uma pessoa identificada como líder foi grupo que promoveu o ataque foi presa. Ontem, militantes islâmicos disfarçados de militares atacaram o quartel-general do Exército em Rawalpindi, vizinha a Islamabad, dando início à crise de reféns encerrada hoje. O ataque mostra que os insurgentes ainda têm força apesar das operações militares paquistaneses e da colaboração dos Estados Unidos para liquidar os extremistas.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoviolênciarefénsTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.