Operação para a retirada do Costa Concordia é iniciada

Trinta meses depois de bater num recife e emborcar, matando 32 pessoas, o navio de cruzeiro Costa Concórdia começava nesta segunda-feira a ser retirado da costa de Isola del Giglio, na Toscana. Autoridades expressaram satisfação com a operação para levantar a embarcação e fazê-la flutuar com o uso de uma plataforma submarina. O navio será rebocado até Gênova, no noroeste italiano, numa viagem que deve levar cinco dias, e então desmontado.

PRISCILA ARONE, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Agência Estado

14 de julho de 2014 | 10h53

Toda a operação para remover o Costa Concórdia terá um custo total de 1,5 bilhão de euros (US$ 2 bilhões), informou aos jornalistas o executivo-chefe da Costa Crociere, Michael Tamm.

O navio de 290 metros de comprimento naufragou em 13 de janeiro de 2012 ao se chocar contra recifes na costa italiana.

"A operação começou bem, mas será concluída apenas quando terminarmos o transporte para Gênova", disse o ministro do Meio Ambiente italiano, Gian Luca Galletti, nesta segunda-feira.

O capitão do navio, Francesco Schettino, é julgado na Toscana por homicídio culposo, por provocar o naufrágio da embarcação e por abandonar o Costa Concórdia antes de todos terem deixado o local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.