DigitalGlobe/AP
DigitalGlobe/AP

Operadora da usina de Fukushima acelera esforços para resfriar reatores

Técnicos da Tepco esperam alimentar com eletricidade o sistema que bombeia água em dois reatores

Efe,

19 de março de 2011 | 00h22

OSAKA - A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina de Fukushima, acelerou neste sábado, 19, seus esforços para restabelecer a eletricidade que alimenta o sistema de resfriamento da central, enquanto continua o lançamento de água no reator 3.

Os técnicos da Tepco esperam já neste sábado poder alimentar com eletricidade o sistema que bombeia água em dois reatores, embora sua entrada em funcionamento não seja imediata, já que os equipamentos precisam ser revisados antes, informou a companhia.

O sistema de resfriamento tem como objetivo baixar a temperatura das piscinas de combustível nuclear usado, e neste sábado o foco serão os reatores 1 e 2.

A Agência de Segurança Nuclear do Japão informou que espera poder instalar os cabos que alimentam o resfriamento dos reatores 1 e 2, enquanto a operação para restabelecer esse sistema nas unidades 3 e 4 pode ser completado no domingo.

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

O aumento da temperatura nas piscinas de armazenamento de combustível nuclear usado reduz o nível de água que mantém estáveis as barras de material radioativo, com o risco de fusão e emissão de radiação.

Às 7h deste sábado (19h de sexta-feira pelo horário de Brasília), uma equipe de bombeiros de Tóquio lançou 90 toneladas de água durante 20 minutos no reator 3 para tentar, pelo terceiro dia consecutivo, resfriar a piscina de combustível da unidade.

Estas operações devem ser repetidas neste sábado, segundo informou a emissora de televisão pública NHK.

Na manhã deste sábado um helicóptero das Forças de Autodefesa do Japão (Exército) sobrevoou a usina nuclear de Fukushima para medir a variação da temperatura nos reatores e analisar os efeitos das operações de resfriamento realizadas durante esta semana, segundo informou o Ministério da Defesa.

Dos seis reatores da usina, as unidades 1, 3 e 4 ficaram seriamente danificadas e deixaram descobertas as piscinas com o material nuclear usado, enquanto a estrutura de contenção do reator 2 enfrenta problemas em sua câmara de supressão.

O Governo japonês fixou uma zona de evacuação de 20 quilômetros ao redor da central, enquanto as pessoas que vivem a menos de 30 quilômetros da usina foram orientadas a permanecer em suas casas com portas e janelas fechadas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.