Operadoras de viagem britânicas cancelam pacotes para Quênia

Operadoras de viagem britânicascancelaram na quinta-feira os pacotes para o Quênia pelorestante da semana devido à onda de violência surgida no paísafricano em meio a uma disputa sobre o resultado das eleiçõespresidenciais e após o governo queniano ter desaconselhado aentrada no território nacional. "Nossa federação de operadoras de viagem realizou umareunião nesta manhã. Há dois aviões que partirão, um amanhã eum outro no sábado. Os dois viajarão vazios e vão apenas buscarturistas," afirmou um porta-voz. Os que tinham passagem marcada para os vôos podem optar porserem indenizados, adiar a viagem ou escolher um destinoalternativo. Mais de 300 pessoas foram mortas em uma onda de violênciasurgida depois da reeleição do presidente Mwai Kibaki. Governosde vários países aconselharam seus cidadãos a não viajarem parao Quênia, um país famoso por seus safáris e suntuosas praias. O turismo representou a maior fonte de arrecadação doQuênia em 2006. No ano passado, o faturamento do setor no paísteria totalizado mais de 1 bilhão de dólares. "Há um outro vôo charter previsto para partir nasegunda-feira. Neste momento, a intenção é dar prosseguimento àviagem, e isso porque a situação vem se alterando dia a dia. Sea situação melhorar, poderemos mandar os turistas para lá,"disse o porta-voz. "Ainda hoje, será decidido se as pessoas que têm a voltaprevista para a outra semana deveriam regressar mais cedo." "Os resorts nos quais elas estão hospedadas não foramafetados pela crise. Mas não é possível ignorar os conselhos doMinistério das Relações Exteriores. E não faremos isso,"acrescentou. Cerca de 290 mil britânicos visitam o Quênia todos osanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.