Oportunidade para a paz está escapando, diz chanceler da Síria

Falta de acordo entre israelenses e palestinos pode levar o Oriente Médio à guerra, diz al-Moallem

REUTERS

26 de novembro de 2010 | 10h31

JERUSALÉM - O ministro de Exteriores da Síria, Walid al-Moallem, criticou nesta sexta-feira, 26, palestinos e israelenses pela falta de avanços nas negociações de paz e afirmou que a abertura para o diálogo está se fechando, o que poderia levar o Oriente Médio à guerra. As informações são do jornal israelense Haaretz.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Em entrevista a um jornal russo, al-Moallem acusou Israel de evitar buscar a paz e disse que a oportunidade para um acordo de paz está escapando. "A possibilidade de guerra sempre existe na nossa região, já que Israel insultantemente se esquiva do comprometimento com a paz", disse.

 

O chanceler ainda alertou para as ramificações da guerra do Oriente Médio que surgem fora da região. Segundo ele, não haverá "vencedores nem perdedores" nesses conflitos. "Todos perderão porque o militarismo atual pode causar grandes danos, mesmo se o lado atingido for forte", disse.

 

Na terça-feira, a Síria criticou a lei israelense que estabelece a realização de um referendo para aprovar a concessão de terras em Jerusalém Oriental ou nas Colinas de Golan, dizendo que a medida é uma prova de que Israel não procura a paz. Uma fonte da chancelaria síria afirmou que a decisão "viola as leis internacionais e as resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU)".

 

A área das Colinas de Golan, na fronteira entre a Síria e Israel, foi tomada pelos israelenses durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Damasco exige a devolução do território em troca da paz entre os dois países.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINACOREIAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.