AP Photo/ Evan Vucci
AP Photo/ Evan Vucci
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Oportunista, doença acelera jogo geopolítico

Grandes dinâmicas do sistema internacional, envolvendo China, Rússia, EUA e Europa, se precipitaram com a pandemia

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2020 | 17h02

Como todo vírus, o causador da covid-19 é um oportunista, que catalisa e dá nova expressão a processos já em andamento. É esse o seu impacto também no plano geopolítico. As três grandes dinâmicas do sistema internacional se precipitaram com a pandemia: o fortalecimento do componente autoritário na afirmação da China como superpotência; a projeção da Rússia e o acirramento das disputas com os Estados Unidos; e a divergência estratégica entre a Europa e Trump.

A eclosão do coronavírus na China expôs duas fragilidades do país. Primeiro, o quanto os hábitos e a cultura dos chineses não conseguiram acompanhar a urbanização em ritmo atordoante nas duas últimas décadas. A transmissão do vírus para os seres humanos só foi possível por causa do papel central que animais silvestres ainda têm na culinária e na medicina tradicional chinesa.

Em segundo lugar, a resposta da China ao surto expôs as consequências de seu modelo híbrido de autoritarismo e capitalismo. A primeira reação das autoridades em Wuhan foi tentar abafar o surto, mesmo após a traumática lição da Sars, que se espalhou em 2003 graças à falta de transparência das autoridades.

O governo central chinês, ao tomar pé da situação, assumiu uma atitude muito mais proativa e transparente. Mas as medidas adotadas para conter a epidemia só foram possíveis graças ao caráter autoritário do regime. 

A China conseguiu desacelerar drasticamente a proliferação da doença. Com isso, as perdas, tanto no crescimento econômico quanto no prestígio do país, incluindo o programa de investimentos globais da Iniciativa da Rota da Seda, foram estancadas, mas não anuladas. Ainda vai levar um tempo até que possamos medir o tamanho desse prejuízo para a China e o seu impacto global.

A queda no preço do petróleo causada pela diminuição da demanda em função do coronavírus também precipitou algo que estava à espreita: o uso da carta energética pela Rússia. Desde 2014, EUA e União Europeia adotam sanções contra a Rússia por causa de suas intervenções na Ucrânia. Em dezembro, o governo americano impôs medidas contra as empresas que participam da construção do gasoduto Nord Stream 2, que liga a Rússia à Alemanha.

A Rússia já estava incomodada com o papel regulador do preço do petróleo que os EUA vêm exercendo indiretamente, depois de se tornar o maior produtor e o quarto maior exportador, e de impor sanções à Venezuela e ao Irã. O governo americano calibra a produção desses países por meio de concessões para empresas de exploração e distribuição.

A Rússia rejeitou a proposta da Arábia Saudita de cortar a produção para elevar o preço do petróleo, rompendo uma aliança de mais de três anos com a Opep. A estratégia russa, ao manter o barril barato, é tirar do mercado o petróleo de xisto americano, que tem preço de extração bem mais alto que o convencional.

Por último, os governantes têm reagido ao coronavírus conforme as suas disposições frente ao mundo. A chanceler Angela Merkel, mesmo ao reconhecer que o vírus poderá contaminar entre 60% e 70% dos alemães, está mantendo por ora as fronteiras abertas. O governo conservador de Sebastian Kurz fechou a fronteira da Áustria com a Itália.

Trump anunciou na noite de quarta-feira a proibição da entrada de cidadãos do Espaço Schengen, que reúne 26 países europeus. Após contabilizar muitas perdas causadas pelo Brexit, o Reino Unido, que não pertence a essa área de fronteiras abertas, viu-se premiado por seu isolamento e foi excluído da medida. O presidente americano responsabilizou os governantes europeus por facilitar o alastramento da doença ao manter as fronteiras abertas.

O coronavírus não está mudando os rumos do mundo. Está apenas acelerando seus passos numa trajetória que já estava traçada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.