Mohamed Abd El Ghany/Reuters
Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Oposição a Morsi prepara novo protesto para terça-feira

Partidários da Irmandade Muçulmana, que apoia o presidente egípcio, também convocaram manifestações

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2012 | 17h45

CAIRO - A oposição a Mohamed Morsi e partidários da Irmandade Muçulmana, grupo que apoia o presidente egípcio, marcaram manifestações para esta terça-feira no Cairo, Alexandria e Ismaília.

A oposição egípcia rechaça o referendo constitucional marcado para o dia 15, mas ainda precisa definir se pedirá que a população boicote a votação ou pedirá pelo "não" nas urnas. "Nós ainda discutimos se vamos boicotar o referendo ou pediremos para a população votar 'não'. Por enquanto, rechaçamos o referendo assim como rejeitamos o rascunho de Constituição", disse Hossam Moanis, porta-voz da Frente de Salvação Nacional, formada por grupos seculares, cristãos, socialistas, muçulmanos moderados e feministas.

Nesta segunda-feira, 10, Morsi deu ao Exército poder temporário para prender civis e ajudar a proteger o referendo, que deu origem a enormes e violentos protestos de rua no país e resultaram na morte de sete pessoas, além de deixar mais de 600 feridos.

O decreto, publicado hoje no diário oficial, ordena que os militares cooperem com a polícia "para preservar a segurança e proteger as instituições estatais vitais, durante um período de tempo limitado, até o anúncio dos resultados do referendo", de acordo com uma cópia do documento obtida pela agência AFP.

Morsi revogou um outro decreto que havia emitido no domingo, o qual aumentava os impostos sobre cigarros, bebidas alcoólicas (legalizadas embora proibidas pelo Islã, mas consumidas por parte da população), telefones celulares e empréstimos bancários.

Superpoderes

O judiciário egípcio entrou em greve após Morsi emitir um decreto em 22 de novembro que lhe deu superpoderes e o colocou acima do poder judiciário. Os juízes disseram que não monitorarão o referendo do dia 15.

Nesta segunda-feira, o judiciário pareceu suavizar um pouco a sua posição, ao dizer que poderá acompanhar o referendo, mas antes os partidários da Irmandade Muçulmana precisam suspender o cerco que fizeram à Corte Constitucional, tribunal máximo do país no Cairo. Desde a semana passada, partidários da Irmandade e os salafitas, mais radicais, cercam o prédio da Corte.

O Exército, que governou o Egito entre a queda do ex-presidente Hosni Mubarak em fevereiro de 2011 e a eleição de Morsi em junho deste ano, tem buscado permanecer neutro em relação à crise política, embora tenha advertido que "não vai permitir" que a situação se deteriore e pediu que os dois lados dialoguem.

Desde quinta-feira, tanques do Exército estão ao redor do palácio presidencial, mas os militares não entraram em confronto com os milhares de manifestantes que se reúnem no local toda noite.

A oposição, formada por seculares, liberais, esquerdistas, cristãos e feministas, afirmou que vai intensificar os protestos para prejudicar o referendo. Para os opositores, a nova Constituição, redigida principalmente por aliados islamitas de Morsi, enfraquece os direitos humanos, os direitos das mulheres, as minorias religiosas e prejudica a independência do Judiciário.

Na noite de domingo, a Frente de Salvação Nacional convocou a realização de enormes protestos no Cairo contra o referendo, marcado para 15 de dezembro.

Com informações da AP e da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.