Oposição acusa Berlusconi de crime arqueológico

Premiê teria revelado a uma prostituta a existência de 30 tumbas fenícias em sua casa na Sardenha

FRANCE PRESSE E AP, O Estadao de S.Paulo

25 de julho de 2009 | 00h00

O premiê italiano, Silvio Berlusconi, tem escapado ileso de uma onda de escândalos que envolvem denúncias de participação em orgias e pagamentos por sexo com prostitutas. Mas um deslize com o inventário arqueológico que o premiê supostamente mantém em uma de suas residências, na Sardenha, pode acabar abrindo a porta para uma ação da Justiça.Há uma semana, a revista italiana L?Espresso vem publicando a conta-gotas trechos de gravações de áudio onde uma mulher, identificada como a prostituta Patrizia D?Addario, conversa com um homem que a revista diz ser Berlusconi. Num dos trechos, o homem diz: "Aqui nós encontramos 30 tumbas fenícias de (aproximadamente) 300 a.C."A frase - cuja gravação pode ser ouvida no site da revista - foi suficiente para mobilizar a comunidade arqueológica italiana, que pediu à Justiça que investigue a existência do suposto acervo do premiê.Pelas leis italianas, descobertas arqueológicas feitas em propriedades privadas como a de Berlusconi devem ser comunicadas às autoridades para inspeção, catalogação e possível escavação.Segundo a imprensa local, as autoridades da Sardenha desconheciam a existência do suposto sítio arqueológico e dizem que, se ele realmente existir, pode representar um tesouro inestimável para as pesquisas históricas.O Partido Democrático, de oposição, exigiu que tanto o premiê quanto seu ministro da Cultura, Sandro Bondi, dirijam-se ao Parlamento para explicar o suposto achado e o por que de ele não ter sido informado às autoridades."Queremos saber se eles existem ou não e, se existem, porque não foram relacionados", disse Andrea Marcucci, parlamentar de oposição ao governo de Berlusconi.Arqueólogos italianos dizem que a possível descoberta pode revelar importantes aspectos sobre as civilizações ancestrais que viveram na ilha mediterrânea.Os fenícios eram um povo ligado ao comércio que vivia em colônias espalhadas em diversos pontos da costa mediterrânea. Estima-se que eles tenham vivido entre 2.300 a.C. e os primeiros anos do século 1º.ESCÂNDALOSOs diálogos que causam embaraço ao premiê italiano foram revelados à imprensa pela prostituta Patrizia, de 42 anos, que pode ser ouvida no áudio. Ela diz ter mantido relações com Berlusconi em novembro, e gravou conversas posteriores, na Sardenha, pois Berlusconi não teria cumprido uma promessa de ajudá-la a resolver um problema imobiliário.O premiê diz que conheceu Patrizia, mas nega que tenha pago por sexo. Esta semana, Berlusconi respondeu às acusações dizendo que não é "santo". Sua popularidade caiu pela primeira vez abaixo dos 50% desde que ele foi eleito no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.