Oposição acusa Chávez de criar milícias

A coalizão opositora e a maior organização empresarial da Venezuela acusaram o presidente Hugo Chávez de promover a criação de milícias urbanas para intimidar os adversários, além de criar uma situação de "confrontação interna". A Coordenadoria Democrática, de oposição, emitiu comunicado no qual repudia o plano de treinamento militar para civis proposto por Chávez no domingo e afirma que não aceitará que a Venezuela se converta em um "país de milicianos". A coalizão afirmou também que para defender a soberania "não é necessário que cada cidadão se converta em um soldado, mas que cada soldado assuma plenamente sua responsabilidade como cidadão e entenda que a única maneira de defender efetivamente a soberania nacional é dando-nos um governo que não namore com a guerrilha". O deputado opositor José Farías disse que, com o treinamento militar de civis, o governo busca "legalizar milícias oficialistas" como forma de "intimidar". Somou-se às críticas a maior organização empresarial do país, que informou, através de um comunicado, ser contrária a "qualquer manifestação de violência, venha de onde vier". O ministro da Informação Jesse Chacón negou que o governo tenha planejado criar milícias na Venezuela e disse que "o presidente falou da necessidade de que todos os venezuelanos nos somemos à defesa da nação ". No domingo, durante uma manifestação em Caracas em apoio a seu governo, Chávez exortou seus seguidores a se organizarem para receber "treinamento militar" para a "resistência" e a "defesa territorial".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.