Oposição acusa embaixador dos EUA de insultar sul-coreanos

Partido se refere aos comentários feitos sobre o acordo para importação de carne bovina americana

Efe,

04 de junho de 2008 | 04h33

A oposição da Coréia do Sul acusou nesta quarta-feira, 4, o embaixador americano em Seul, Alexander Vershbow, de insultar os sul-coreanos com seus comentários sobre o acordo para a importação de carne bovina dos Estados Unidos. Vershbow rejeitou na terça-feira a possibilidade de renegociar o acordo assinado em abril entre Seul e Washington para a abertura da Coréia do Sul a quase todos os produtos americanos de carne bovina, incluindo os de cabeças de gado maiores de 30 meses, as mais suscetíveis ao mal da vaca louca. O embaixador acrescentou que os EUA esperam que os sul-coreanos comecem a "aprender mais sobre a ciência e os fatos relativos ao gado dos EUA". O presidente do principal partido da oposição sul-coreano, Sohn Hak-kyu, disse nesta quarta-feira que o embaixador "insultou a todos os sul-coreanos com estas declarações". Outros representantes políticos da oposição do país exigiram uma "desculpa oficial" do embaixador. Milhares de cidadãos se manifestaram durante o último mês nas ruas de Seul e de outras cidades sul-coreanas para pedir a renegociação do acordo comercial sobre a importação de carne dos EUA. As manifestações, especialmente intensas durante o fim de semana passado, deixaram um saldo de dezenas de feridos e cerca de 500 detidos. Como resposta à pressão popular, o Governo de Lee Myung-bak decidiu atrasar a entrada em vigor da abertura do mercado sul-coreano ao gado dos EUA, prevista para terça-feira. No entanto, o embaixador Vershbow já anunciou na terça-feira que os EUA rejeitam a possibilidade de renegociar o acordo.

Mais conteúdo sobre:
Coréia do SulEUAcarne bovina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.