Oposição acusa primeiro-ministro da Tailândia de violar a Carta

Wongsawat pode ter violado por ter ações na companhia CS Loxinfo, que trabalha com concessões do governo

Efe,

29 de setembro de 2008 | 02h27

A oposição tailandesa acusou o primeiro-ministro da Tailândia, Somchai Wongsawat, de violar a Constituição. A acusação poderia levar a sua inabilitação da mesma forma que ocorreu com seu antecessor, Samak Sundaravej, informou nesta segunda-feira, 29, a imprensa local. O senador da oposição Ruangkrai Leekijwattna afirmou que apresentará uma denúncia perante a Comissão Eleitoral para estudar se Wongsawat violou a Carta Magna por ter ações na companhia de telecomunicações CS Loxinfo, que trabalha com concessões do governo. As denúncias de Leekijwattna provocaram a queda de ex-primeiro-ministro Sundaravej, que foi destituído no dia 9 de setembro por ter recebido um salário como apresentador de programas culinários em televisão sendo chefe do governo. A CS Loxinfo, um dos maiores provedores de internet na Tailândia, ganhou uma concessão estatal para a emissão de televisão e internet via satélite durante os próximos 22 anos. O senador acrescentou que os negócios editoriais da Loxinfo representam uma violação da Constituição, já que esta proíbe que o chefe do Executivo participe direta ou indiretamente em meios de comunicação.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.