TV Estadão | 09.06.2015
TV Estadão | 09.06.2015

Oposição argentina vence eleição em Buenos Aires e Córdoba

Segundo turno na capital terá dois opositores da presidente Cristina Kirchner, que, apesar da derrota, elegeu candidato em La Rioja

O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2015 | 17h28

BUENOS AIRES - A oposição à presidente argentina, Cristina Kirchner, venceu três das quatro eleições regionais realizadas no domingo, anunciou na madrugada desta segunda-feira, 6, a Justiça eleitoral do país. Na cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, candidato do presidenciável Maurício Macri, disputará o segundo turno contra o conservador Martín Lousteau. 

Em Córdoba, o peronista dissidente Juan Schiaretti venceu a votação em turno único. A província de La Rioja elegeu o kirchnerista Sergio Casas (Frente Para a Vitória). Em Corrientes, a oposição a Cristina manteve a maioria na Assembleia Legislativa provincial. 

Os principais pré-candidatos à presidência argentina, o prefeito portenho Maurício Macri (PRO) e o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, ( FPV) tentaram aproveitar a votação regional para impulsionar suas candidaturas. Scioli lidera as pesquisas para a sucessão de Cristina, com 35,1% das intenções de voto, segundo a consultoria Ricardo Rouvier & Associates. Macri tem 26,9%. 

“Em cada canto do nosso país, nos corações dos argentinos, cresce a ideia de que juntos podemos, de que a mudança é possível. Isso é importante e transcendente”, disse Macri antes do discurso da vitória de seu herdeiro político, atual chefe de gabinete da prefeitura portenha. “O governo (federal) está preocupado, com pressa para dizer que venceram e isso não é verdade.”

O candidato kirchnerista em Buenos Aires, Mariano Recalde, ficou em terceiro lugar. Apesar da derrota, a FPV diminuiu a importância de a eleição na capital ter ido para o segundo turno com dois candidatos de oposição à presidente. 

“Nosso projeto tem uma visão muito federal da Argentina, diferentemente do outro projeto”, declarou Scioli, que pediu a união do peronismo em torno do projeto “nacional e popular” de Cristina. “Governo um território 1,5 mil vezes maior que a capital. Não é só o conteúdo do que dizemos que está em disputa, mas também a envergadura do que propomos.”

O chefe de gabinete da presidente, Aníbal Fernández também relativizou a derrota na capital. “Foi uma disputa de Buenos Aires, sem influência em outros lugares”, afirmou. 

Larreta, que tentará no dia 19 vencer o segundo turno substituir Macri - ex-presidente do Boca Juniors e prefeito desde 2007 - festejou a vitória no primeiro turno. “É espetacular festejar essa grande eleição com vocês”, disse.

 

Lousteau - ex-ministro da Economia e candidato pela coalizão de centro-esquerda ECO, aliado de Macri em âmbito federal - rejeitou desistir do segundo turno, como defendem analistas e alguns setores da oposição. “Hoje (ontem), os portenhos decidiram que querem um segundo turno”, disse. /AP, EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.