Oposição boliviana aceita convite de Evo para negociar

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse hoje que enviou uma carta aos governadores da oposição para um diálogo. Dois deles aceitaram o convite, um dia depois que violentos distúrbios deixaram oito mortos. O governador do Departamento (Estado) de Tarija, Mario Cossío, afirmou que viajará a La Paz após ter recebido a carta e aceitado o pedido de uma reunião. Em Santa Cruz, o secretário da Autonomia do governo, Carlos Dabdoub, declarou que "todos concordamos que é preciso buscar um ponto de convergência".Em um discurso na região central de Cochabamba, o presidente da Bolívia afirmou que os grupos opositores autonomistas "têm todo o direito de rechaçar a nova Constituição, mas com o voto e não com a violência". Segundo o presidente, a carta convocava os governadores de Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija para uma reunião "imediata" em La Paz. Ele disse que também dialogaria com prefeitos e dirigentes sociais e sindicais para encerrar os conflitos."Essa não é uma luta (dos opositores) pelo Imposto Direto de Hidrocarbonetos, é uma conspiração contra a democracia que busca dividir a Bolívia com influência externa. Não vamos permitir que embaixadores venham dividir a Bolívia", afirmou Evo. O presidente expulsou ontem o embaixador dos Estados Unidos, Philip Goldberg, do país. Segundo Morales, o diplomata conspirava com os opositores.Os protestos começaram contra a retenção de fundos estaduais pelo governo do presidente para financiar uma pensão para idosos. Além disso, o país está dividido sobre a busca de maior autonomia por algumas regiões e sobre o projeto constitucional promovido pelo governo central, que deve ser votado em referendo. Evo disse estar disposto a "compatibilizar" o projeto constitucional com os estatutos de autonomia aprovados nas quatro regiões opositoras, em referendos desautorizados pelo governo central.Houve saques e invasão de escritórios do governo e de empresas estatais em Santa Cruz, no leste do país. Também foram registrados problemas similares em Beni e Tarija. Ontem, confrontos entre grupos leais a Morales e opositores deixaram oito mortos e 36 feridos em Cobija, ao norte de La Paz, cidade fronteiriça com o Brasil e capital do Departamento amazônico de Pando. A situação está mais calma hoje, sem notícias de choques. Porém, prosseguem os problemas com a falta de alimentos básicos e rodovias bloqueadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.