Oposição boliviana suspende negociações com Morales

Os líderes bolivianos de oposição decidiram suspender as negociações com o governo central de Evo Morales até que o governador do Departamento (Estado) de Pando, Leopoldo Fernández, seja libertado. "O diálogo não está morto, mas agoniza", disse o governador de Tarija, Mario Cossío, ao deixar o palácio presidencial em La Paz. Fernández foi detido sob a acusação de ter ordenado o assassinato de diversos camponeses.No entanto, o presidente do país defendeu a prisão do opositor. "O caso da detenção do governador (Fernández) é uma ação legal e constitucional. As Forças Armadas estão cumprindo seu papel constitucional no marco do estado de sítio", afirmou Morales, que se disse aberto a dialogar com a oposição. A imprensa local informou que Fernández foi detido e levado de avião a La Paz. Ontem, o promotor federal Mario Uribe o acusou de "genocídio" no caso referente à morte de 15 pessoas durante um confronto entre opositores e simpatizantes do governo, na semana passada. O governo ainda sustenta que 103 camponeses estão desaparecidos desde os ataques, pois foram obrigados a fugir pelas montanhas.O diretório do comitê cívico do Departamento de Santa Cruz pediu que o governo liberte imediatamente Fernández e afirmou que a detenção é inconstitucional. "Exigimos a libertação imediata do governador Leopoldo Fernández e que o MAS (Movimento ao Socialismo, partido oficial) liberte todos os presos políticos que foram detidos no estado de sítio em Pando", disse Branko Marinkovic, presidente da organização, em coletiva de imprensa. Com informações da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.