Oposição convoca greve geral nas eleições paquistanesas

Deputados renuniarão no dia 2, em protesto contra o presidente Pervez Musharraf

EFE

30 de setembro de 2007 | 10h02

O oposicionista Movimento Democrático de Todos os Partidos (APDM, na sigla em inglês) anunciou que seus deputados renunciarão depois de amanhã e que convocou uma greve geral para 6 de outubro, dia das eleições para a Presidência do Paquistão, informou neste domingo, 30, o canal "Geo TV". As renúncias serão enviadas ao Parlamento no dia 2 de outubro, em protesto contra o presidente Pervez Musharraf, que na sexta-feira recebeu autorização do Supremo Tribunal para concorrer ao pleito presidencial sem ter de abandonar o posto de chefe das Forças Armadas. "Recebemos as renúncias de 84 membros da Assembléia Nacional e de 152 membros de quatro assembléias provinciais (estaduais) de nossos partidos, as quais serão enviadas aos porta-vozes das câmaras em 2 de outubro", disse Raja Zafarul Haq. Acompanhado de vários líderes da aliança opositora, Zafarul disse que, às 10h (hora local) de terça-feira, 2, os legisladores que estão abrindo mão de seu mandato iniciarão uma marcha até o Parlamento e as assembléias provinciais, num protesto contra as eleições para presidente. O APDM também convocou uma greve geral para 6 de outubro, dia do pleito. "Promoveremos manifestações em todo o país", disse Zafarul.   Até o momento, Musharraf é o favorito na disputa pela Presidência, já que dispõe de maioria suficiente nas câmaras encarregadas de escolher o chefe de Estado. No sábado, 30, a Comissão Eleitoral paquistanesa aprovou sua candidatura e rejeitou as objeções feitas pelos movimentos da oposição, cujos membros, revoltados, acabaram se envolvendo em confrontos com a Polícia do lado de fora do prédio do órgão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.