Oposição da Jordânia quer ver mudanças após protestos

Dirigentes políticos se dizem otimistas após reunião com o rei Abdullah II e o novo premiê

Associated Press

04 de fevereiro de 2011 | 17h47

AMÃ - A oposição jordaniana mostrou-se otimista com as reformas prometidas pelo governo do país após a população tomar as ruas em protesto contra a atual administração, afirmou um dirigente político nesta sexta-feira, 4.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

 

A Frente Islâmica de Ação, principal bloco de oposição da Jordânia, se disse confiante após a reunião com o novo primeiro-ministro, Marouf al-Bakhit, e o rei Abdullah II.

 

"Estamos bastante otimistas de que haverá mudanças", disse um líder do grupo, Nimer al-Assaf. Ele disse que a oposição daria ao novo premiê uma chance para realizar as reformas políticas prometidas pelo governo e que novos protestos não deveriam ocorrer por um momento.

 

Ainda assim, houve protestos na capital e em três outras cidades do país. "Queremos empregos e o fim da corrupção, que faz os governantes ricos às custas das pessoas pobres, como eu", disse um desempregado entre as 150 pessoas que marchavam na cidade de Karak.

 

As manifestações desta sexta eram bem menores que as vistas nos últimos dias, quando os jordanianos protestavam contra os altos preços. Os protestos, inspirados nos levantes da Tunísia e do Egito, obrigaram o rei Abdullah II a mudar seu gabinete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.