Manaure Quintero/Reuters
Manaure Quintero/Reuters

Oposição da Venezuela recebeu ofertas de propina para impedir eleição de Guaidó, diz agência

Segundo reportagem da Reuters, parlamentares descontentes foram procurados pelo chavismo antes da votação de janeiro da Assembleia Nacional

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2020 | 16h47

CARACAS - Em janeiro, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, comemorou uma grande vitória: parlamentares do Congresso elegeram seu candidato favorito como líder da Assembleia Nacional, colocando a última instituição independente da nação sob seu controle.

Opositores políticos protestaram, acusando o líder venezuelano de intimidar e tentar subornar parlamentares para eles expulsarem o rival de Maduro, o autoproclamado presidente Juan Guaidó, na votação de 5 de janeiro.

Um exame feito pela Reuters das circunstâncias que cercaram a votação mostra que existem indícios para apoiar as acusações dos opositores.

Uma gravação, antes inédita, de uma conversa entre dois congressistas - além de entrevistas com uma dúzia de outros parlamentares e mensagens de texto não relatadas - lança luz sobre a estratégia do partido governista de fazer ofertas de dinheiro e ameaças para explorar divisões dentro da coalizão de Guaidó.

O governo de Maduro, que Washington qualifica como uma ditadura e mantém sob sanções, negou usar coerção, assim como o chefe eleito do Congresso, Luis Parra.

Na gravação, feita às 9h do dia 15 de dezembro, Kerrins Mavarez, congressista de 34 anos do Estado litorâneo de Falcón, recebeu um telefonema de uma figura destacada da oposição receosa de que o governo estivesse tramando para assumir o controle do Congresso.

O autor da chamada, Luis Stefanelli, disse a Mavarez que acreditava que os aliados de Maduro estavam tentando subornar e assustar políticos opositores para que apoiassem Parra.

Mavarez confirmou a Stefanelli que havia recebido telefonemas de um emissário desconhecido do governo que o ameaçou de prisão e lhe perguntou quanto dinheiro ele queria para mudar de lado. "Estou muito assustado", disse Mavarez, que não identificou o emissário. Ele disse que resistiu à oferta, mas pediu apoio da oposição a Stefanelli: "Não me abandonem."

"É importante para nós saber que podemos contar com você", disse Stefanelli na gravação, que compartilhou com a Reuters, prometendo a Mavarez que líderes opositores o apoiariam. "Sua posição marcará sua vida."

Na votação de 5 de janeiro, Mavarez havia tomado uma decisão. Ele se uniu a cerca de 15 outros parlamentares de oposição e votou contra a reeleição de Guaidó, preferindo apoiar Parra - que havia se alinhado aos socialistas de Maduro.

Em uma coletiva realizada quatro dias depois, Mavarez negou acusações de outras figuras opositoras de que aceitou um suborno e disse que agiu com "bravura" depois que Guaidó foi incapaz de apresentar soluções para a crise econômica e política do país.

Indagado pela Reuters sobre a gravação, Mavarez não negou sua autenticidade e disse que os dois lados o pressionaram, mas votou "com liberdade total". Ele acusou a oposição de forjar as ligações ameaçadoras que recebeu em dezembro para verificar se ele estava envolvido em uma conspiração, mas não ofereceu provas disso. Um porta-voz de Guaidó disse que nenhuma ligação ou mensagem foi forjada.

A Reuters não conseguiu determinar se alguma propina foi paga de fato ou quem fez as ligações de dezembro. Stefanelli disse que gravou Mavarez por suspeitar que ele já havia sido "comprado", sem dar detalhes.

Nem representantes de Parra nem o Ministério da Informação da Venezuela responderam a pedidos de comentário.

Valores

Os políticos de oposição entrevistados pela Reuters disseram que, em dezembro, os aliados de Parra procuraram 30 de seus colegas - o número necessário para alterar a maioria na Assembleia - com ofertas de até US$ 700 mil, escolhendo alvos em dificuldades financeiras e frustrados com Guaidó. Eles ofereceram indícios de três casos.

"Eles estavam procurando aqueles que tinham dúvidas ou estavam insatisfeitos com a liderança", disse o parlamentar José Guerra. Citando suas conversas com colegas visados, Guerra disse que um parlamentar próximo de Parra, José Noriega, que pertencia formalmente ao partido Vontade Popular de Guaidó, fez muitos destes telefonemas.

Noriega negou isso à Reuters.

De acordo com os deputados e pessoas próximas do Partido Socialista, Maduro queria aproveitar a popularidade reduzida de Guaidó para instalar no Congresso uma oposição mais maleável, que pudesse aprovar legislações solicitadas por seu governo. Mas, segundo estas pessoas, Parra não conseguiu convencer parlamentares opositores suficientes.

Isso, disseram elas, o forçou a barrar a entrada de Guaidó e seus aliados e assumir o comando do Congresso de 167 cadeiras sem prova de que cumpria o requisito de ter metade dos parlamentares presentes. Parra disse que a votação teve quórum, mas nunca apresentou uma lista oficial de quais parlamentares votaram a seu favor.

No dia da votação, soldados com escudos impediram Guaidó e seus aliados de entrarem no Parlamento, de acordo com repórteres da Reuters, o que permitiu que parlamentares pró-governo elegessem Parra. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.