Oposição declara vitória em eleição no Quênia

O partido de oposição no Quêniadeclarou vitória no sábado na votação para a Presidência, apósos números oficiais darem ao seu candidato uma liderança dequatro pontos percentuais sobre o presidente Mwai Kibaki comtrês quartos dos votos apurados. Atrasos no anúncio dos resultados geraram tensões étnicasna maior economia do leste africano, com jovens brigando,saqueando e queimando casas em redutos da oposição. "Honorável Raila Odinga é o vencedor e o quarto presidenteda República do Quênia", disse o vice-presidente do MovimentoDemocrático Laranja Musalia Mudavadi. O partido de Kibaki, que esperava um segundo mandato decinco anos, ridicularizou o anúncio e disse que esperaria peloresultado da Comissão Eleitoral do Quênia. Samuel Kivuitu, da Comissão Eleitoral, pediu cautela àoposição: "Quantas vezes nós encontramos pessoas na rua dizendo'Esta loja é minha' e o homem não tem as calças?... Eu possoaté anunciar que eu sou o presidente do Quênia. Isso vai mefazer o presidente do Quênia?" Resultados oficiais, no entanto, mostram Odinga em direçãoà vitória. A comissão eleitoral registrou 3,73 milhões de votos paraele, ou 49 por cento em 159 das 210 regiões. Kibaki estava com45 por cento. Odinga liderou a contagem no início, mas quando Kibakicomeçou a diminuir a diferença, a oposição disse temer fraude. "Nós estamos sentindo um plano para fraudar as eleições",disse o entregador Eric Ochieng, 18, em meio a protestos nacidade de Kisumu, terra natal de Odinga. "Nós não vamos aceitarisso", ele completou. Desde o início da manhã, centenas de jovens estão nas ruasde Kisumu --uma cidade normalmente pacata-- queimando pneus,saqueando lojas e bloqueando ruas. Moradores afirmam que pelo menos uma pessoa foi morta. Em Nairóbi, as ruas estavam desertas no centro da cidade,com as portas das lojas fechadas. Caminhões com policiaismilitares fazem o patrulhamento. Se Odinga vencer, ele vai satisfazer uma ambição antiga deliderar o Quênia, um sonho de seu pai, o herói nacionalistaJaramogi Oginga Odinga, que se tornou vice-presidente. A posse do novo presidente do Quênia ocorre dentro depoucos dias. (Reportagem adicional de Guled Mohamed em Kisumu; NoorKhamis, Tim Cocks, Bryson Hull, George Obulutsa, Joseph Sudah,Duncan Miriri, Andrew Cawthorne e Nicolo Gnecchi em Nairóbi)

HELEN NYAMBURA-MWAURA E KATIE NGUYEN, REUTERS

29 de dezembro de 2007 | 12h23

Tudo o que sabemos sobre:
QUENIAOPOSICAODECLARA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.