Reuters
Reuters

Oposição denuncia morte de 70 pessoas em bombardeios do regime sírio

Forças pró-Assad teriam atacado principalmente Deraa, Damasco e Alepo

Efe,

27 de julho de 2012 | 18h51

CAIRO - Grupoes opositores ao regime de Bashar Assad denunciaram que 70 pessoas morreram nesta sexta-feira, 27, por causa dos bombardeios das forças do governo, principalmente em Deraa, Damasco e seus arredores, e Alepo, onde os rebeldes capturaram aproximadamente cem soldados do regime.

Veja também:

link Rebeldes prendem sírios leais ao governo de Assad em Alepo e Idlib

link Tropas e rebeldes sírios devem se enfrentar nos próximos dias em Alepo

Os Comitês de Coordenação Local (CCL) informaram a morte de 70 pessoas, enquanto o Observatório Sírio de Direitos Humanos documentou a morte de 52 civis e 17 membros das forças governamentais em combates contra os insurgentes. Em Alepo, onde se teme uma grande ofensiva das tropas governamentais, que mantêm a cidade sitiada à espera de reforços militares, foram registrados entre seis e 11 mortos, dependendo das fontes.

Os bombardeios castigaram principalmente os bairros de Al Fardus, Salah ad-Din, Al Sukari, Al Ansari, Al Mashhad e Bustan al Qasr, dominados pelos rebeldes. Segundo vídeo divulgado pelos ativistas, a brigada do Exército Livre Sírio (ELS) "Al Tauhid" de Alepo capturou nos últimos combates soldados e oficiais do Exército e da "shabiha" (milicianos pró-governo).

As imagens mostram o testemunho de vários reféns, alguns com sinais de golpes, que se identificam e explicam o lugar onde foram capturados, a maioria em ataques rebeldes a postos de segurança ou em controles instaurados pelos próprios insurgentes. "Este é o destino esperado por quem colabora com o regime (...) cairão nas mãos do ELS", diz uma voz no vídeo, enquanto mostram os detidos sentados em um grande pátio, vigiados por guerrilheiros.

O ativista de Alepo Majid Abdelnur explicou que os rebeldes atacaram os postos de segurança de Yesr al Hash e Al Sukari, onde capturaram e abateram vários soldados. Em Deraa, onde diversas localidades são alvo de fortes bombardeios há dias, grupos opositores assinalaram bombas nos bairros de Yarmouk, Joura e Arbain, assim como sobre o povoado de Karak.

Pelo menos 21 pessoas morreram nesta província fronteiriça com a Jordânia, dez delas na cidade de Deraa e cinco por disparos de artilharia pesada contra um campo de refugiados. Já na periferia da capital, os bombardeios com helicópteros castigaram principalmente os povoados de Daraya e Yalda, onde as forças do regime tentam recuperar o local do controle dos rebeldes.

Em Homs, os bombardeios e operações de repressão do regime de Assad assolaram a cidade homônima e uma próxima de Al Qusair e seus arredores. Outra província castigada pela violência foi Idlib, onde foram registrados bombardeios e combates entre os rebeldes e o Exército, que afetaram principalmente o povoado de Maaret al Numan.

Diante do agravamento do conflito, a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, acusou nesta sexta-feira o regime de Bashar Assad de arrasar regiões controladas pela oposição sem levar em consideração a população civil.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.