Oposição do Zimbábue participará de governo de união

O principal partido de oposição do Zimbábue vai participar de um governo de união no início do próximo mês, disse hoje Morgan Tsvangirai, líder do Movimento para a Mudança Democrática. O anúncio ofereceu esperanças de que os líderes zimbabuanos possam voltar suas atenções para a catástrofe humanitária que atinge o país. No começo desta semana, o partido de Tsvangirai havia rejeitado a recomendação de líderes regionais de que o acordo de coalizão, paralisado desde setembro, fosse implementado no início de fevereiro. A mudança de atitude ocorreu em meio a especulações de que o presidente Robert Mugabe formaria sozinho um governo caso a oposição decidisse não participar. "Nós nos reunimos e decidimos concordar" com a resolução dos líderes regionais, disse Tsvangirai aos jornalistas após um reunião de alto nível do partido hoje. "Estamos comprometidos em nos unir ao governo de união nacional e esperamos que (os integrantes do partido de Mugabe) nos tratem como parceiros iguais". A oposição vinha resistindo a fazer parte da coalizão com Mugabe até a resolução de uma disputa sobre como dividir de forma justa os postos do gabinete, depois de Mugabe ter insistido em manter os cargos mais importantes para membros de seu partido, o ZANU-PF. A oposição também queria que os ataques contra dissidentes parassem antes da integração ao governo. O partido de Mugabe e líderes de países vizinhos disseram que a oposição deveria primeiro integrar o governo e só então resolver as questões pendentes. Com a decisão de hoje, a oposição parece ter adotado essa estratégia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.