Mick Tsikas/Reuters
Mick Tsikas/Reuters

Oposição e governistas da Austrália buscam apoio de independentes

Conservadores e trabalhistas tentam conseguir maioria em eleições praticamente empatadas

Efe

22 de agosto de 2010 | 09h59

SYDNEY - As duas maiores legendas políticas da Austrália iniciaram neste domingo, 22, acertos com os deputados independentes e do Partido Verde, depois que as eleições realizadas no sábado terminaram praticamente empatadas e deixaram incerta a formação de um novo governo.

 

A apuração parcial aponta que a coalizão governista da premiê Julia Gillard terá 72 cadeiras no Parlamento, enquanto a oposição manterá 73 assentos. Os quatro candidatos independentes e o representante dos verdes, que leva seu partido pela primeira vez ao Parlamento australiano, completam os 150 assentos da casa e recebem propostas de aliança de ambos os lados.

 

Bob Katter, que será um dos quatro deputados independentes se forem confirmados oficialmente os resultados, disse ao canal de televisão Sky News, que tinha recebido várias ligações de "gente muito poderosa", embora tenha declinado revelar suas identidades.

 

No sábado, pouco depois que a apuração provisória mostrava que o Partido Trabalhista tinha perdido a maioria parlamentar, Julia acenou aos independentes e aos verdes. A premiê, que corre o risco de perder o cargo que assumiu há apenas oito semanas se não conseguir formar um bloco, presumiu que no Parlamento federal tinha cooperado de forma "positiva" e "produtiva" com independentes, assim como com os verdes no Senado.

 

Os dirigentes trabalhistas se reuniram para examinar os erros que o partido cometeu, sobretudo nos estados de Nova Gales do Sul e Queensland, nos quais o grupo perdeu o maior número de cadeiras para a coalizão conservadora liderada por Tony Abbott.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.