Oposição e governo iniciam negociações no Zimbábue

Opositor afirma que conversas na África do Sul são preliminares e focarão o fim da violência política no país

Agências internacionais,

10 de julho de 2008 | 10h16

O partido governista do Zimbábue e a oposição começaram nesta quinta-feira, 10, as negociações preliminares para encerrar a crise política iniciada no país com a reeleição do presidente Robert Mugabe, segundo afirmou uma fonte opositora. Mukoni Ratshitanga, porta-voz do presidente sul-africano, Thabo Mbeki, confirmou a rodada de diálogo.   Os opositores do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, sigla em inglês) e os governistas da União Nacional Africana do Zimbábue - Frente Patriótica (Zanu-PF) estão sob forte pressão internacional para dialogar por uma saída para o impasse eleitoral no país desde a sexta reeleição de Mugabe, condenada pela comunidade internacional pela repressão e onda de violência contra simpatizantes da oposição.   Segundo um membro do MDC, as conversar preliminares começariam nesta quinta, quando seria discutido o fim da violência política. "Nossa equipe está na África do Sul, onde acontecem as negociações preliminares com o ZANU-PF", disse o representante da oposição, que confirmou que o foco do debate é o início do diálogo.   O porta-voz do MDC Nqobizitha Mlilo disse que será discutida a onda de violência e dessa discussão o partido decidirá se é possível iniciar plenas negociações, se as condições pelo fim da repressão política forem reconhecidas. Diplomatas na África do Sul disseram que os dois lados concordaram em iniciar as conversas. A mediação entre governo e oposição é realizada pelos sul-africanos.   A eleição realizada no Zimbábue foi alvo de muitas críticas. O país sofreu com a violência, direcionada sobretudo contra os partidários da oposição, o que levou o candidato oposicionista, Morgan Tsvangirai, a retirar sua candidatura antes da realização do segundo turno. Com isso, o presidente Mugabe, no poder desde 1980, tornou-se o único nome na disputa e garantiu outro mandato.   Mais tarde, Tsvangirai reiterou que o diálogo é apenas preliminar e negou conversas substanciais com o ZANU-PF. Segundo o líder opositor, seu partido está apenas apresentando as condições para a negociação.   "Nos últimos dez dias, eu e meu partido defendemos categoricamente que não há negociações entre nós e o Zanu-PF tomando lugar. Essa posição não mudou", declarou Tsvangirai.   Matéria atualizada às 14h40.  

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.