Oposição egípcia rejeita oferta de diálogo do presidente

A coalizão opositora ao regime de Mohamed Morsi rejeitou nesta sexta-feira o diálogo proposto pelo presidente egípcio, para acalmar os sangrentos protestos contra os amplos poderes assumidos pelo chefe de Estado com o objetivo de acelerar a aprovação de uma nova Constituição.

AE, Agência Estado

07 de dezembro de 2012 | 09h25

A Frente de Salvação Nacional disse que decidiu "recusar a participação no diálogo proposto pelo presidente, amanhã, sábado".

A oposição convocou para esta sexta-feira outro dia de grandes manifestações contra as medidas mais recentes adotadas por Morsi, dois dias depois de violentos confrontos terem provocado a morte de seis pessoas e deixado pelo menos 700 feridas.

Os manifestantes exigem que Morsi anule o decreto que dá a ele poderes quase absolutos e que ele não coloque em referendo um projeto de Constituição favorável aos preceitos islamitas no dia 15 de dezembro.

Os grupos opositores organizam marchas até o palácio presidencial. Os militares intervieram pela primeira vez na quinta-feira, quando instalaram tanques ao redor do palácio e colocaram arame farpado no local.

Por outro lado, islamitas ultraconservadores também organizam sua própria manifestação para esta sexta-feira. O protesto será contra o que chamam de cobertura tendenciosa da questão política pelos canais pagos privados do país. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.