AFP PHOTO / FEDERICO PARRA
AFP PHOTO / FEDERICO PARRA

Oposição enfrenta desafio de exibir sua força na 8ª semana de protestos na Venezuela

Manifestantes contrários ao governo de Nicolás Maduro protestam nesta segunda ao lado dos membros da Federação Médica Venezuelana contra o presidente venezuelano; governo chavista convocou 'Marcha pela Paz' para a terça-feira

O Estado de S.Paulo

22 Maio 2017 | 10h38

CARACAS - Nem a oposição nem o governo de Nicolás Maduro se rendem e, nesta semana, voltam a medir suas forças nas ruas da Venezuela, após mais de 51 dias de violentos protestos que deixaram 47 mortos e centenas de feridos.

A Federação Médica Venezuelana (FMV) se dirigirá nesta segunda-feira ao Ministério da Saúde em apoio à oposição em Caracas. Maduro convocou uma Marcha Pela Paz para a terça-feira.

"Devemos ir aumentando a pressão, produto do que é a resposta do governo", afirmou no domingo o líder opositor Henrique Capriles.

Apesar das bombas de gás lacrimogêneo e da violência, os protestos da oposição não param, em meio a um colapso econômico que gera uma severa escassez de alimentos e remédios, e uma inflação que, segundo o FMI, ultrapassará os 720% este ano, além de uma criminalidade crescente.

Por conta da falta de insumos, equipamentos e medicamentos, a situação dos hospitais na Venezuela é "catastrófica", de acordo os médicos.

A oposição tem o desafio de atrair os manifestantes apesar, mas não apenas, da violência, já que os venezuelanos têm enfrentado enormes filas para conseguir alimentos e um trânsito paralisado pelos protestos.

"O fato de a oposição continuar com a mobilização nas ruas, e a comunidade internacional manter sua pressão sobre a Venezuela, poderia gerar divisões no governo ou dentro das Forças Armadas", disse David Smilde, assessor principal do Washington Office on Latin America (Wola), especializado na Venezuela.

No domingo, Maduro denunciou que manifestantes bateram, apunhalaram e atearam fogo contra um jovem durante uma manifestação em Caracas por acreditarem "ser chavista". "Nunca havíamos visto aqui uma pessoa ser incendiada como fazem os terroristas do Estado Islâmico", denunciou Maduro em seu programa semanal, convocando uma marcha "pela paz" para terça-feira. A Procuradoria afirmou que já iniciou uma investigação sobre o ocorrido. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.