Oposição faz moção de censura contra governo japonês

Os principais partidos de oposição apresentaram nesta sexta-feira na Câmara dos Deputados do Japão uma moção de censura contra a gestão do primeiro-ministro, Shinzo Abe, pelo escândalo das fraudes nas reuniões com cidadãos, entre outros assuntos.Além disso, o Partido Democrata, o Partido Comunista, o Partido Social-Democrata e o Novo Partido Popular também apresentaram moção de censura dirigida ao ministro de Assuntos Exteriores, Taro Aso. Eles consideram que as recentes declarações do diplomata encorajaram o país a debater a posse de armas nucleares.A coalizão governamental formada pelo Partido Liberal Democrático (PLD) e pelo Novo Komeito, com maioria no Parlamento, deverá rejeitar a moção numa votação ainda na tarde desta sexta-feira (horário local) em sessão plenária da Câmara.A ofensiva da oposição marca a última sessão do Parlamento, na qual a coalizão governista pretendia aprovar uma emenda da Lei Fundamental da Educação e a transformação da Agência de Defesa em Ministério, duas prioridades do governo de Abe.A coalizão se viu obrigada a prorrogar por mais quatro dias, até a próxima terça-feira, as sessões do Legislativo.O escândaloO escândalo das assembléias cívicas "arrumadas" surgiu há dois dias. Uma comissão governamental revelou que, em 15 dos 174 encontros promovidos pelo governo para ouvir a opinião do povo, as perguntas tinham sido previamente combinadas.O relatório também revelou que a maioria dos participantes de 71 dessas sessões foi escolhida pelo governo. Em 29 delas, funcionários se infiltraram e apareceram como cidadãos comuns para fazer perguntas.Shinzo Abe reconheceu na quinta-feira a responsabilidade do Executivo e declarou que devolveria três meses de seu salário como castigo por um assunto no qual o Governo "perdeu a confiança pública".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.