Oposição faz protesto no Bahrein, apesar de proibição

Manifestantes contrários ao governo se reuniram neste sábado na sede do principal partido de oposição do Bahrein, desafiando uma proibição do governo e pressionando pela ampliação dos direitos políticos e civis dos muçulmanos xiitas do país.

AE, Agência Estado

07 de janeiro de 2012 | 15h03

O partido Al Wefaq tem sido o principal apoiador das manifestações realizadas pela maioria xiita. O movimento já dura dez meses e tem como objetivo acabar com o monopólio do poder pelos sunitas.

O governo não concedeu autorização para o protesto deste sábado, mas mesmo assim milhares de manifestantes foram ao local. Os xiitas representam cerca de 70% da população do Bahrein, mas não ocupam altos cargos políticos ou nas forças de segurança.

Na última década, o Al Wefaq tem liderado uma campanha pela ampliação dos direitos da maioria xiita. Os protestos conhecidos como Primavera Árabe, no entanto, serviram de inspiração para que um número de manifestantes nunca visto antes saísse às ruas em fevereiro.

Um mês depois, os 18 parlamentares do partido renunciaram em protesto contra a repressão do governo às manifestações. Em julho, o partido abandonou as negociações para uma reconciliação, alegando que o governo não tinha intenção de chegar a um acordo com a oposição. O Al Wefaq também boicotou eleições realizadas em setembro para as cadeiras vagas do parlamento, após a detenção de altos membros do partido.

O Al Wefaq vem realizando manifestações públicas semanais nos últimos meses, mas tem evitado fazer isso sem a autorização do governo. Segundo o Ministério do Interior, o pedido para a manifestação deste sábado foi negado por questões de segurança. Apesar da proibição, o protesto terminou de forma pacífica. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Bahreinoposiçãoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.