Oposição japonesa diz a Hillary que aliança deve ser igualitária

O líder do principal partido de oposição do Japão, Ichiro Ozawa, que pode se tornar primeiro-ministro nas eleições deste ano, disse à secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, na terça-feira que uma aliança entre os dois países deve ser igualitária. O encontro entre Hillary e Ozawa, líder do Partido Democrático do Japão, aconteceu no momento em que as pesquisas mostram que seu partido pode derrotar a coalizão governista que comandou o país por boa parte dos últimos 50 anos. Hillary declarou que o Japão é a base da política norte-americana na Ásia, mas Ozawa é conhecido por defender mais independência em relação ao maior aliado de Tóquio -- posição que despertou preocupação entre alguns analistas. "Uma relação na qual um dos lados é subordinado ao outro não é boa. Eu disse a ela que isto somente vai virar uma aliança quando houver parceria igualitária", disse Ozawa depois do encontro com Hillary. "Acho que o problema é que nosso governo, até agora, não conseguiu declarar suas próprias visões." Os partidos de oposição atrapalharam a coalizão que governa o país, além de preocupar autoridades norte-americanas, ao travar a passagem de uma lei que estenderia uma missão japonesa de reabastecimento no oceano Índico, o que apoiaria as operações militares norte-americanas no Afeganistão. Ozawa, 66 anos, argumenta que a missão viola a constituição pacifista do Japão e diz que a política japonesa no Afeganistão devia ser mais alinhada à Organização das Nações Unidas, em vez de Washington. Perguntado na segunda-feira sobre um possível aumento das tropas norte-americanas no Afeganistão, Ozawa disse a um programa de rádio que isto não serviria para nada. "Enquanto aumentarem as tropas, não vencerão", disse Ozawa. "Eles devem mudar sua forma de pensar." As declarações do líder oposicionista japonês irritaram algumas autoridades norte-americanas. "Alguns amigos norte-americanos me avisaram que minhas recentes palavras e ações foram mal entendidas nos Estados Unidos. Mas eu sou uma daquelas pessoas que há muito tempo insistem em que uma aliança entre Estados Unidos e Japão é a coisa mais importante", disse ele, depois do encontro com Hillary.

YOKO KUBOTA, REUTERS

17 de fevereiro de 2009 | 12h17

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOOPOSICAOHILLARY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.