Oposição Líbia toma missão de Kadafi no Brasil

Bandeira rebelde é hasteada na embaixada de Trípoli em Brasília; embaixador se isola

Lisandra Paraguassu, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2011 | 00h00

BRASÍLIA

A divisão do território líbio chegou a Brasília. Enquanto rebeldes tomavam Trípoli, na capital brasileira seus simpatizantes ocupavam a embaixada. Desde a sexta-feira, a bandeira da oposição pode ser vista no mastro do prédio. Já o único aliado do ditador Muamar Kadafi na cidade, o embaixador Salem Zubeide, retirou-se para a residência oficial, a poucas quadras de distância, e lá mantém a bandeira verde da ditadura líbia prestes a ser encerrada.

Zubeide esteve pela última vez na embaixada na tarde de segunda-feira, quando outros diplomatas e líbios moradores no Brasil ocuparam de vez o prédio, rasgaram fotos de Kadafi e hastearam a bandeira rebelde. Ao sair, o embaixador insistia que ainda era o representante de seu país - o que é confirmado pelo Itamaraty, que só reconhece outro embaixador quando recebe novas credenciais. Mas, na prática, Zubeide perdeu o controle da embaixada.

O Estado procurou o embaixador em sua residência na noite de terça-feira. A família do diplomata disse que ele não está em Brasília, mas a segurança da casa confirmou que ele ainda estava na cidade. Ontem, a residência parecia deserta, sem carros e ou mesmo seguranças. Todas as janelas estavam fechadas e com as cortinas cerradas. A bandeira de Kadafi continuava hasteada.

Na embaixada não havia movimento. Apenas três funcionários brasileiros - um segurança, uma secretária e um jardineiro - estavam no local. Durante o mês sagrado do Ramadã, os muçulmanos só aparecerem para as tarefas do dia no final da tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.