Oposição marcha em Caracas a favor do referendo

Várias dezenas de milhares de manifestantes opositores tomaram nesta quarta-feira algumas das principais avenidas de Caracas em uma marcha a favor da realização de um referendo sobre a interrupção do mandato de Hugo Chávez, que acaba de completar a primeira metade de seu período presidencial, e comemorar a entrega de 2,7 milhões de assinaturas às autoridades eleitorais. Em declarações na Argentina, onde se encontra em visita oficial, Chávez desconsiderou a marcha e a entrega das assinaturas, qualificando-as de ?ópera-bufa da oposição?. Qualificou as assinaturas de ?ilegais, que não cumprem com os requisitos constitucionais?. ?Mas - acrescentou - além deles (os opositores), há um grande povo celebrando, comemorando a primeira metade deste governo. E vamos galopar com mais força na segunda metade?. Para Chávez, ?se chegarem a obter o referendo, nós voltaremos a derrotá-los como já fizemos de outra vez?.A marcha de hoje marca a volta da oposição às ruas após quase sete meses de relativa passividade que se seguiram ao fracasso político da greve por ela convocada no final do ano passado e que deixou o país semiparalisado por cerca de um mês. Os opositores, carregando bandeiras venezuelanas, constituições e cartazes contra o mandatário, partiram de seis pontos diferentes da capital em direção à avenida Libertador, na região central, de cerca de 3 km de comprimento. A entrega das assinaturas abre caminho para a consulta eleitoral, já que, de acordo com a Constituição venezuelana, é possível realizar o referendo desde que o governante já tenha cumprido metade do seu mandato. No entanto, persistem dúvidas sobre se a consulta poderá ser realizada: não há efetivamente uma diretriz do Conselho Nacional Eleitoral porque seus legisladores não conseguiram colocar-se de acordo a esse respeito. O Tribunal Supremo de Justiça prometeu emitir diretrizes provisórias sobre o caso nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.