Maxim Shipenkov / EFE
Maxim Shipenkov / EFE

Governistas lideram apuração na Rússia; para especialista, 'oposição está cada vez mais apática'

Com eleição legislativa concluída neste domingo, 19, e resultados parciais de vitória governista, Putin se fortalece ainda mais

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2021 | 18h15
Atualizado 20 de setembro de 2021 | 14h05

A Rússia concluiu neste domingo, 19, uma eleição legislativa de três dias marcada pela ampliação do controle do presidente Vladimir Putin sobre o processo democrático. O principal líder opositor, Alexei Navalni, foi preso ao voltar ao país, no primeiro semestre deste ano, as organizações ligadas a ele foram consideradas extremistas e seus principais aliados foram impedidos de concorrer.

Segundo resultados parciais divulgados pela Comissão Eleitoral, o partido do presidente Vladimir Putin, o Rússia Unida, estava 43,39% dos votos com 21% das seções apuradas. Eles eram seguidos pelos comunistas do KPRF (21%) e pelos nacionalistas (9%). Conforme uma pesquisa de boca de urna realizada para a emissora estatal Rossiya-24, o Rússia Unida vencerá com 45,2% dos votos, muito à frente dos comunistas (21%). Nas eleições legislativas anteriores, em 2016, o Rússia Unida prevaleceu com 52,4% dos votos e os comunistas ficaram em segundo lugar, com 13,3%.

 Para  o professor da University College London, Ben Noble, a repressão é apenas uma das frentes em que Putin e sua cúpula atuam para garantir a continuidade do poder. Com isso, a apatia da oposição aumenta. “Muitos cidadãos de mentalidade oposicionista não veem sentido em participar das eleições – e temos visto a apatia política aumentar”, explicou. A seguir, trechos da entrevista de Noble ao Estadão

Por que a oposição russa não consegue se desenvolver de forma a competir com o partido no poder? O que é erro da oposição e o que é provocado pelo Kremlin?

A oposição na Rússia está dividida entre os “sistêmicos” e o “não sistêmicos”. Os primeiros são tolerados e cooptados pelo Kremlin. Os últimos não são. E existem diferenças significativas dentro de cada grupo. É difícil falar em “erros” quando se trata de dificuldades que figuras e grupos de oposição enfrentaram para cooperar. No final das contas, são políticos e movimentos políticos com ambições, egos e diferentes plataformas políticas. O Kremlin certamente está ciente dessas dificuldades e toma medidas para agravá-las, inclusive oferecendo incentivos – como cargos legislativos – a certas forças políticas em troca de criticar ou não cooperar com outros grupos de oposição.

Durante a campanha eleitoral, o Kremlin também intensificou sua ofensiva contra redes sociais como Twitter, Facebook e Telegram, acusando empresas Big Tech de interferir nas eleições ao não retirar do ar publicações de seus opositores. Esse movimento também deve ser entendido como uma tentativa de favorecer candidatos pró-Putin?

Devemos também adicionar o Google à lista. Um tribunal de Moscou ordenou que o Google não retorne resultados de busca por “votação inteligente” – um esforço para frustrar o projeto coordenado pela equipe de Navalni. As autoridades russas afirmam que as redes sociais estão sendo usadas por potências estrangeiras – incluindo os Estados Unidos – para interferir nas eleições do país. E esse argumento ressoa em muitos russos, em parte por causa das alegações feitas pelos EUA em relação à interferência russa nas eleições presidenciais de 2016.

As pessoas ainda acreditam no sistema eleitoral da Rússia? Existe evidência de fraude?

O índice de aprovação de Putin está atualmente em torno de 60%. Para muitos russos, ele é um reflexo genuíno de uma figura que eles veem como representante da força e do orgulho da Rússia, especialmente desde as dificuldades da década de 1990. Mas essa imagem também deve ser contextualizada, levando em conta um ambiente no qual Putin raramente é criticado na televisão e em que aprovou medidas para bloquear as chances de alguém o desafiar. Por exemplo, Navalni foi impedido de concorrer na eleição presidencial de 2018. O nível de apoio ao Rússia Unida é inferior a 30%. Eleições anteriores foram seguidas com análises de evidências de fraude generalizada, incluindo sobre o acréscimo de cédulas no dia das eleições. Mas esta não é toda a história. Muitos russos não precisam ser convencidos ou coagidos a votar em Putin ou no Rússia Unida, inclusive porque não sabem como seria a vida sem o atual presidente.

Considerando o poder do Kremlin de Putin sobre as instituições e os demais poderes na Rússia, ainda é possível considerar as eleições russas democráticas?

Dadas as muitas medidas já tomadas para desnivelar o jogo eleitoral na Rússia, é difícil afirmar com certeza que as eleições legislativas nacionais proporcionam uma oportunidade livre e justa para as pessoas expressarem as suas escolhas democráticas. Por causa disso, muitos cidadãos de mentalidade oposicionista não veem sentido em participar das eleições – e temos visto a apatia política aumentar. Mas isso convém às autoridades: se os oposicionistas ficarem em casa no dia da eleição, quando aqueles que apoiam o regime – genuinamente ou por incentivos e pressões – podem ser convencidos a participar, aumentando a probabilidade de os candidatos de Putin ganharem. / COM AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Vladimir PutinAlexei NavalnyRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.