Oposição na Ucrânia pede greve e quer "destruir o regime"

O líder da oposição na Ucrânia, Viktor Yushchenko, conclamou uma greve geral contra a decisão de autoridades eleitorais, de reconhecer a vitória do premier Viktor Yanukovych na eleição presidencial de domingo. A oposição e observadores internacionais denunciam irregularidades no pleito, e Yushchenko aparecia na frente nas pesquisas de boca-de-urna. Segundo Yushchenko, a decisão do comitê eleitoral "põe a Ucrânia à beira de um conflito civil".Pela contagem oficial, Yanukovych recebeu 49,46% dos votos e Yushchenko, 46,61%. O líder oposicionista classificou esse resultado como "o mais recente crime" das autoridades eleitorais. "Com essa decisão, eles nos querem de joelhos", disse Yushchenko à multidão de seguidores que gritava "Vergonha! Vergonha!""Minha ações para combater este regime serão ainda mais consistentes e firmes", prometeu Yushchenko.Falando para centenas de milhares de seguidores na Praça Independência, no centro de Kiev, Yushchenko disse que a greve "significa que estamos organizando os cidadãos, parando com as aulas nas escolas e universidades, parando o trabalho nas empresas, parando o transporte... E assim forçando as autoridades a pensar no que fazem". Yuliya Tymoshenko, principal aliada política de Yushchenko, prometeu que a oposição "cercará todos os prédios do governo, bloqueará todas as ferrovias, os aeroportos e estradas". "Temos a intenção de tomar o poder em nossas mãos nesses lugares", disse ela, garantindo que haverá "uma luta consistente que levará à destruição deste regime".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.