Oposição nega acordo para governo de coalizão no Zimbábue

Cúpula africana pressiona para união; governo de Mugabe afirma que formará gabinete sem opositores

Agências internacionais,

27 de janeiro de 2009 | 11h24

O partido de oposição do Zimbábue afirmou nesta terça-feira, 27, que não aceitará a decisão da Cúpula da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), que pediu pela formação de um governo de união nacional para o próximo dia 11 de fevereiro. Segundo a BBC, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC, em inglês), afirmou que esperava mais da reunião. O governo afirmou ainda que as negociações foram encerradas e que o presidente Robert Mugabe formará um novo gabinete. O continuo impasse deixou o país imerso em uma extensa e violenta crise política, que arruinou a situação da nação: metade da população passa fome e a epidemia de cólera já mais de 3 mil pessoas e contaminou outras 56 mil. Após uma longa reunião em Pretória, que começou na segunda e só terminou na manhã desta terça-feira, 27, os chefes de Estado e governo dos 15 países da SADC tornaram público um comunicado em que anunciam que o líder opositor zimbabuano, Morgan Tsvangirai, se tornará primeiro-ministro em 11 de fevereiro. A posse de Tsvangirai e a formação do governo de união nacional serão efetivas depois que, em 5 de fevereiro, o Parlamento de Harare aprove uma emenda constitucional que crie o posto de primeiro-ministro, cujo ocupante compartilhará o poder executivo com o presidente Robert Mugabe. Segundo o que decidiram os governantes do sul da África, o Ministério do Interior, disputado por ambas as partes, deverá ser divido pelo opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC), de Tsvangirai, e a governamental União Nacional Africana Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), de Mugabe. O chefe do Estado da África do Sul, Kgalema Motlanthe, que o ocupa a Presidência da SADC, assegurou ao término da reunião que ambas as partes tinham entrado em acordo sobre as condições colocadas pela cúpula para a formação do Governo de união nacional. "As duas partes se apresentarão na data prevista para a posse e será efetuada a formação do Governo", disse Motlante à imprensa, apesar das críticas do MDC aos resultados da cúpula. Um porta-voz do MDC ressaltou que as conclusões refletidas no comunicado da cúpula da SADC "ficaram muito abaixo das expectativas" e que o partido "não concordou em fazer parte de um governo de unidade nacional". Segundo esse porta-voz, a direção nacional do MDC se reunirá no próximo fim de semana para "definir a posição do partido" sobre a formação do governo de união nacional. Mugabe já havia anunciado que formaria um governo com ou sem a oposição após a cúpula realizada em Pretória.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.