Oposição no Zimbábue se diz perto do poder

A oposição do Zimbábue declarou naterça-feira estar prestes a chegar ao poder, depois de rejeitarespeculações de que iria buscar uma saída negociada para oveterano presidente Robert Mugabe. "Não há discussão e essa é apenas uma especulação", disse odirigente oposicionista Morgan Tsvangirai, ao lhe perguntaremsobre a possível negociação, durante uma entrevista coletiva àimprensa. Ignorando as projeções do resultado das eleições, indicandoque ele não obterá maioria absoluta de votos e terá de disputarum segundo turno contra Mugabe, Tsvangirai disse: "Hojeenfrentamos um novo desafio, o da governabilidade." As especulações de que Mugabe renunciaria após 28 anos nopoder para não enfrentar Tsvangirai num segundo turno surgiramdepois que fontes do partido governista Zanu-PF e monitoresindependentes disseram que o oposicionista havia vencido aeleição de sábado, mas sem os 51 por cento necessários paraevitar o segundo turno. George Charamba, porta-voz de Mugabe, qualificou de"absurdos" os rumores sobre um acordo para a renúncia e negoutambém que o presidente vá fazer um pronunciamento pela TV nanoite de terça-feira. Mugabe governa o Zimbábue desde o fim do domínio britânico,em 1980. Frequentemente acusado de fraude eleitoral, desta vezele enfrenta um duplo ataque da oposição e também os efeitos dacrise econômica no país, outrora um dos mais prósperos daÁfrica. Um importante diplomata ocidental em Harare disse à Reutersque a comunidade internacional discute idéias sobre comoconvencer Mugabe a deixar o poder, mas não há nada concreto porenquanto. Há temores de que o intervalo de três semanas até o segundoturno resulte em violência grave entre militantes da oposição eforças do governo e milícias leais a Mugabe. Duas fontes do Zanu-PF disseram na terça-feira que suasprojeções indicam que Tsvangirai lidera a apuração com 48,3 porcento dos votos, contra 43 por cento de Mugabe e 8 por cento doex-ministro das Finanças Simba Makoni. Os últimos resultados da eleição parlamentar mostram oZanu-PF com duas vagas a mais do que o MDC (de Tsvangirai).Outras cinco vagas ficaram para uma outra facção da oposição.Foram divulgados resultados de 161 das 210 cadeiras. Seisministros de Mugabe perderam suas vagas. Três dias depois das eleições, nenhum resultado da votaçãopara presidente foi divulgado oficialmente, o que alimentasuspeitas de fraude. (Reportagem adicional de Nelson Banya, Cris Chinaka, StellaMapenzauswa e Muchena Zigomo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.