T Mughal/Efe
T Mughal/Efe

Oposição paquistanesa pede renúncia de presidente

Suprema Corte abre caminho para processar Zardari, acusado de desviar US$ 1,5 bilhão

estadao.com.br,

17 de dezembro de 2009 | 08h22

Líderes da oposição paquistanesa pressionaram nesta quinta-feira, 17, o presidente Asif Ali Zardari para que ele renuncie ao cargo. Ontem, a Suprema Corte do país declarou ilegal a anistia concedida pelo ex-presidente Pervez Musharraf ao atual líder.

 

 Veja também:

link Paquistão tem intimidado diplomatas americanos, diz 'NYT'

link Bombardeios dos EUA deixam pelo menos 12 mortos no Paquistão

link  Alto funcionário da ONU queria retirar Karzai do poder, diz NYT

Siddiqul Farooq, porta-voz da Liga Muçulmana do Paquistão Nawaz (PML-N, na sigla em inglês), partido do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif defendeu a renúncia de Zardari como uma "obrigação moral". "Todos os membros do gabinete devem entregar seus cargos", disse.

 

Apesar de ainda ser protegido por imunidade presidencial, a decisão abre caminho para a punição de diversos aliados de Zardari. O presidente é acusado de desviar US$ 1,5 bilhão em recursos públicos. 

Com a popularidade cada vez mais em baixa, Zardari enfrenta no plano regional uma oposição cada vez mais agressiva, e externamente sofre pressão do Ocidente para ampliar a cooperação na luta contra o radicais islâmicos que se refugiam no Paquistão.

 

Zardari venceu as eleições em 2008 após a renúncia de Musharraf. A anistia fez parte de um acordo mediado pelos EUA em 2007 que permitiu o retorno ao país da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, morta no final daquele ano e esposa do atual presidente. Com a morte de Bhutto, Zardari assumiu o controle do Partido do Povo do Paquistão (PPP). Mais de 8 mil políticos e funcionários públicos foram beneficiados pela medida.

 

Antes de assumir o cargo, Zardari passou diversos anos na cadeia, acusado de corrupção. O presidente diz que todas as acusações contra ele têm motivação política.

 

Com informações da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoZardari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.