Norberto Duarte / AFP
Norberto Duarte / AFP

Oposição paraguaia inicia processo de impeachment contra presidente e vice

Decisão de abrir um julgamento político contra Mario Abdo Benítez e Hugo Velázquez foi motivada pelo acordo de venda de energia da usina de Itaipu com o Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2019 | 21h00

ASSUNÇÃO - A Mesa de Partidos da Oposição decidiu iniciar o processo de julgamento político contra o presidente Mario Abdo Benítez e o vice-presidente Hugo Velázquez pelo acordo firmado com o Brasil sobre a venda de energia da usina de Itaipu. Os opositores também planejam apresentar denúncias penais e realizar mobilizações.

O partido Honra Colorada anunciou seu apoio à iniciativa, o que daria à oposição votos necessários em ambas as Câmaras para afastar o líder paraguaio em uma eventual votação do processo de impeachment, segundo o jornal paraguaio ABC Color.

"Decidimos dois pontos: o primeiro é impulsionar o julgamento político do presidente e do vice-presidente e a ação penal de todos os envolvidos nesta situação de crise pela questão de Itaipu", disse a presidente do Partido Revolucionário Febrerista (PRF), Josefina Duarte ao ABC Color.

A iniciativa tem o apoio de importantes forças de oposição com forte presença parlamentar, como o Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA) e o Partido Encontro Nacional. 

"A iniciativa tem relação precisamente com a traição à pátria e isso significa mau desempenho de suas funções nos termos da Constituição como motivo de julgamento político", explicou  Efraín Alegre, presidente del PLRA.

Para Entender

Guia sobre a crise entre Brasil e Paraguai por causa da energia produzida em Itaipu

Novo acordo sobre hidrelétrica binacional assinado por Brasília e Assunção levou oposição a pressionar por impeachment do presidente Mario Abdo Benítez

O acordo — fechado em maio, mas conhecido publicamente apenas na semana passada — elevará os custos para a empresa estatal de eletricidade do Paraguai em mais de US$ 200 milhões, segundo o ex-diretor da entidade. 

Enquanto a oposição articula os arguntos para a acusação, será apresentada, nesta quinta-feira, 1, uma denúncia penal a fim de que a Justiça também avance em eventuais sanções contra os responsáveis pelo acordo negociado, segundo a oposição, "contra os interesses nacionais".

A outra medida acertada pela oposição foi "a convocação de orgazações da sociedade civil para uma maifestação na sexta-feira na Casa do Povo às 18 horas, para iniciar o planejamento das mobilizações em todo o país", disse Josefina Duarte. 

O argumento de todos esses partidos de oposição é que já não têm "confiança no governo, por isso acreditam que devem deixar o cargo para outras pessoas iniciarem um governo mais sério e responsável com relação às negociações de Itaipu", disse Efrain Alegre. 

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.