Oposição pede que Exército se junte à revolta na Síria

Manifestantes voltarão às ruas na sexta-feira para protestar contra o regime de Bashar al-Assad

Agência Estado

26 de maio de 2011 | 15h52

BEIRUTE - A oposição da Síria pediu nesta quinta-feira, 26, ao Exército nacional que se junte à revolta contra o regime do presidente Bashar al-Assad, afirmando que integrantes do governo estão atacando manifestantes e militares. Os opositores disseram no Facebook que os protestos marcados para a sexta-feira serão em honra aos "Guardiães da Nação", uma referência ao Exército.

 

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

O pedido parece ser uma forma de tentar pôr um fim ao impasse, após quase dez semanas de protestos. Durante os levantes no Egito e na Tunísia, as Forças Armadas romperam com os regimes e se alinharam aos manifestantes.

 

 

Grupos de direitos humanos dizem que a repressão do governo contra os dissidentes já matou mais de 1 mil pessoas, dentre elas dezenas de soldados, nos últimos dois meses. O governo diz que as manifestações são realizadas por "grupos armados" e não por militantes que lutam por reformas.

 

 

Uma mensagem postada na página do Facebook do grupo Syrian Revolution 2011 diz que o povo tomou as ruas para exigir liberdades na Síria mas "foi assassinado pelas mesmas mãos que assassinaram nossos honrados soldados". "A revolução pela liberdade e dignidade vai continuar, pacificamente, até a vitória", diz o texto, acrescentando que as "gangues armadas" são forças de segurança leais ao regime e bandidos partidários do governo conhecidos como Shabiha.

 

Assad parece determinado a combater a revolta, que representa o maior desafio aos 40 anos de domínio político de sua família na Síria. A violenta repressão atraiu críticas internacionais e sanções dos Estados Unidos e da União Europeia, incluindo o congelamento de ativos e proibição de viagem para Assad e nove membros de seu regime.

 

O chefe da Organização Nacional para Direitos Humanos na Síria, Ammar Qurabi, disse em comunicado que a Síria e organizações de direitos humanos documentaram mais de mil mortes e cerca de 4 mil ferimentos que "causaram deficiências permanentes a homens jovens, mulheres e crianças".

 

Também nesta quinta, o jornal independente Al-Watan informou que Asma, a esposa de Assad, nascida na Grã-Bretanha, encontrou-se com familiares das vítimas um dia antes, contrariando os rumores de que ela teria fugido para o território britânico com seus filhos. Asma Assad nasceu, cresceu e foi educada na Grã-Bretanha. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.