Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Oposição quer investigar acidente com premiê do Zimbábue

Colisão matou a mulher de Morgan Tsvangirai, que deve ter alta hoje de um hospital de Harare

AP

07 de março de 2009 | 09h13

O partido do primeiro-ministro do Zimbábue, Morgan Tsvangirai, pediu neste sábado, 7, uma investigação sobre oacidente de carro que matou a mulher do premiê e o deixou ferido ontem. "Não podemos falar sobre o que causou o acidente até que se prove o que realmente aconteceu", disse Tendai Biti, o número dois de Tsvangirai no Movimento pela Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês). Segundo ele, o acidente poderia ter sido evitado se o premiê pudesse usar o mesmo tipo de transporte do presidente Robert Mugabe.   Tsvangirai deve ter alta hoje do hospital no qual está internado. Segundo o médico Douglas Gwatidzo, ele tem dores no peito e um ferimento na cabeça. Segundo um assessor, ele está devastado pela morte da esposa. O acidente aconteceu na sexta-feira, em uma das perigosas estradas que dão acesso a Harare. Segundo um membro da embaixada americana, o caminhão envolvido na coalizão transportava remédios doados pelo governo americano. O carro no qual Tsvangirai e a mulher viajavam tentava desviar do caminhão na contramão quando saiu da pista e capotou .Tsvangirai assumiu o cargo em 11 de fevereiro em um acordo de divisão de poder que tentou pôr fim a um racha de quase um ano de crise política, detonado por um conturbado processo eleitoral. Há dez anos, Tsvangirai lidera a oposição a Mugabe. Certa vez, ele foi espancado e quase foi jogado da janela do décimo andar.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.