Oposição quirguiz controla Exército e promete eleições

A oposição no Quirguistão tomou o controle das Forças Armadas do país, após uma sangrenta revolta que derrubou o governo nesta semana, confirmou hoje o ministro interino da Defesa. Além disso, a líder interina, Roza Otunbayeva, prometeu eleições presidenciais no país em um prazo de seis meses.

AE, Agência Estado

08 de abril de 2010 | 09h52

"O governo interino está no comando. Essa composição do sistema político funcionará durante seis meses, durante os quais uma nova Constituição será escrita e eleições presidenciais organizadas, de acordo com todas as normas democráticas", afirmou. Ex-ministra das Relações Exteriores, ela assumiu o poder após Bakiyev fugir da capital, em meio a distúrbios.

O general Ismail Isakov, nomeado hoje ministro da Defesa por Roza, disse que falou com os líderes militares e eles prometeram obediência ao novo governo. "O Exército está inteiramente ao nosso lado", afirmou ele. "Não houve qualquer problema."

Milhares de manifestantes saíram ontem às ruas da ex-república soviética, em uma onda de protestos que terminou com a queda do presidente Kurmanbek Bakiyev. O líder era acusado pela oposição de fomentar a corrupção no país.

Um funcionário de um aeroporto local informou que Bakiyev fugiu para o sul do montanhoso país, onde ele mantém sua base de poder e pode tentar angariar apoio para voltar ao cargo. A notícia causou temores de mais tensões internas no país. Ontem, o Ministério da Saúde contabilizou 75 mortos e cerca de mil feridos nos distúrbios em vários pontos do Quirguistão. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.