Oposição rejeita oferta de Morsi e agrava impasse no Egito

Oposicionistas disseram não a convite de líder egípcio de diálogo que visaria pôr fim à onda de violência.

BBC Brasil, BBC

28 de janeiro de 2013 | 15h45

Uma aliança de oposição rejeitou a proposta de diálogo do presidente do Egito, Mohammed Morsi.

A rejeição aumenta o impasse no país e reduz as perspectivas de reduzir a tensão deflagrada em diferentes pontos do país desde que, no final da semana passada, 21 pessoas foram condenadas à morte por seu suposto envolvimento em um tumulto entre torcidas durante uma partida de futebol no ano passado que deixou 74 mortos.

Após o anúncio da sentença, milhares de pessoas tomaram as ruas em protestos contra a decisão. No sábado, os confrontos entre forças de segurança deixaram ao menos 30 mortos em Port Said no. E outros três foram mortos em um funeral coletivo no domingo.

Em resposta à onda de violência, Morsi decretou estado de emergência em três cidades do país, Port Said, Suez e Ismailia, além de ter decretado um toque de recolher.

Assim que foi eleito, Morsi havia dito que o estado de emergência que vigorou durante vários anos durante o regime do presidente Hosni Mubarak não voltaria a entrar em vigor.

Durante um pronunciamento no domingo, o líder egípcio anunciou a entrada em vigor do estado de emergência, frisando que, em nome do Egito, era seu ''dever'' fazê-lo.

''Já disse que sou contra quaisquer medidas de emergência, mas já disse que para pôr fim ao banho de sangue e para proteger o povo, eu agirei. Se preciso, farei muito mais pelo bem do Egito. É meu dever e não hesitarei'', afirma.

Unidade nacional

Segundo a correspondente da BBC no Cairo, Yolande Knell, Morsi tinha uma expectativa de que o convite de diálogo no Palácio Presidencial feito a 11 forças políticas do país - entre eles islâmicos, liberais e esquerdistas - pudesse restaurar a unidade nacional. Mas ainda não se sabe quem irá aceitar o convite.

Na segunda-feira, voltaram a ocorrer enfrentamentos entre forças de segurança e manifestantes, mesmo diante das restrições impostas pelo governo. E um homem foi morto por um disparo perto da praça Tahrir, na capital egípcia, Cairo.

Ainda nesta segunda-feira, o gabinete egípcio aprovou um projeto de lei que dá ao Exército poderes de polícia e de efetuar detenções.

Mohamed El Baradei, um dos principais representantes do bloco de oposição Frente de Salvação Nacional, disse a jornalistas que antes de participar de qualquer projeto de diálogo, Morsi teria que indicar um governo de unidade nacional e adotar medidas para emendar a polêmica Constituição recém aprovada pelo Parlamento dominado por políticos da Irmandade Muçulmana, o partido de Morsi.

''O diálogo para o qual o presidente nos convidou tem a ver com forma, não com conteúdo. Apoiamos qualquer diálogo se ele contar com uma agenda clara que possa nos levar para o caminho da segurança'', afirma.

Ao lado de El Baradei, o ex-candidato presidencial Hamdeen Sabahi disse a jornalistas que ''todos aspiramos ao diálogo, mas não há garantias de que ele será um sucesso enquanto sangue continua sendo derramado''.

A oposição acusa Morsi de ser um líder autocrático que está repetindo ações do regime de Mubarak e que a Constituição que ele ajudou a aprovar não protege de forma apropriada a liberdade de expressão ou religiosa no país. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.