Oposição rejeita recontagem de votos no Zimbábue

A oposição no Zimbábue anunciou ontem que não vai aceitar a recontagem parcial dos votos das eleições gerais do dia 29, dizendo que ela tem como objetivo ajudar o presidente Robert Mugabe - há 28 anos no poder - a fraudar a votação. O adiamento da divulgação dos resultados da eleição presidencial aumentou a tensão no país. Líderes do sul da África, reunidos no sábado na Zâmbia, pediram uma rápida divulgação dos resultados e exortaram Mugabe, que não participou do encontro, a garantir que um possível segundo turno seja realizado "em um ambiente seguro". Morgan Tsvangirai, líder do opositor Movimento pela Mudança Democrática, que foi à reunião, assegura ter vencido a eleição presidencial e rejeita um segundo turno. Apurações independentes indicam que Tsvangirai conquistou a maioria dos votos, mas não o suficiente para vencer no primeiro turno. A Comissão Eleitoral do Zimbábue disse ontem que ordenou a recontagem em 23 distritos, provocando desconfiança sobre a votação e levantando a possibilidade de que o partido governista Zanu-PF possa reverter sua derrota - que já havia sido anunciada oficialmente - nas eleições parlamentares. Segundo resultados oficiais, o Movimento pela Mudança Democrática obteve 109 das 210 cadeiras do Parlamento, impondo uma humilhante derrota ao Zanu-PF, que conseguiu conquistar 97 assentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.