Oposição rejeita resultado de eleições nacionais na Nigéria

O candidato governista à Presidência da Nigéria, Umaru Yar´Adua, venceu facilmente as eleições do último sábado, 21, segundo resultado anunciado nesta segunda-feira, 23. Mas líderes da oposição imediatamente rejeitaram o resultado e analistas internacionais disseram que o pleito não tem credibilidade.Partidos da oposição e analistas eleitorais disseram que o processo está longe de acabar. Candidatos derrotados estão preparando vários argumentos, afirmando que a necessidade de organização por parte da Comissão Nacional Eleitoral Independente do país, a manipulação dos votos por autoridades do partido e a violência e intimidação que mantiveram eleitores longe das urnas são suficientes para anular o resultado em muitas instâncias, incluindo à presidencial.A violência esteve vinculada à votação e já atrapalhou a transição. O presidente anterior, Olusegun Obasanjo, deve deixar o cargo no dia 29 de maio, após dois mandatos. Antes que ele subisse ao poder, em 1999, a Nigéria enfrentou duas décadas de ditadura militar.A comissão de observação eleitoral da União Européia criticou arduamente a conduta adotada na eleição e questionou sua legitimidade, que resultou com a vitória do partido de Obasanjo, o People´s Democratic Party (PDP), com Yar´Adua, que obteve mais de quatro vezes os votos do segundo colocado, o ex-ditador Muhammadu Buhari.Analistas do National Democratic Institute, uma organização pró-democracia que monitora as eleições ao redor do mundo, concluiu que "as eleições de 2007 representam um passo para trás na conduta eleitoral da Nigéria".Mas um porta-voz de Yar´Adua, Ken Wiwa, disse que "a eleição está por trás de nós (...) Agora estamos concentrados em mover o país adiante".O anúncio prepara o palco para um período conturbado no país. A Nigéria, que na África é o país mais populoso, o maior produtor de petróleo e a segunda economia, tenta pela primeira vez transferir o poder de um civil eleito para outro e selar uma transição democrática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.