Oposição rejeita retomar diálogo com governo no Zimbábue

Partido de Tsvangirai diz que conversa sob mediação de Mbeki não é possível sem antes negociar condições

Efe,

08 de julho de 2008 | 14h20

A oposição do Zimbábue negou nesta terça-feira, 8, que tenha a intenção de retomar imediatamente o diálogo com a governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), sob a mediação do presidente sul-africano, Thabo Mbeki, para superar a crise política do país. O porta-voz do Movimento para a Mudança Democrática (MDC), Nelson Chamisa, disse que não seria possível retomar o diálogo sem que as condições das negociações fossem fixadas previamente. Veja também:G8 quer sanções da ONU contra aliados de MugabeTsvangirai: de líder sindical a inimigo do regime Mugabe: uma história de 3 décadas no poder "O partido governante deveria fazer suas propostas. Em seguida, poderíamos dialogar com o Zanu-PF", disse Chamisa. As declarações do porta-voz da oposição foram feitas após a edição desta terça do jornal governamental The Herald anunciar que as duas facções do MDC expressaram seu desejo de voltar à mesa de negociações com o partido governante. O Zimbábue atravessa a pior crise política e econômica de sua história, que se agravou por causa das últimas eleições presidenciais. A oposição boicotou o segundo turno, realizado em 27 de junho, pelo forte repressão exercida pelo governo.  Já Mbeki liderou várias rodadas de negociações entre a oposição e o regime de Robert Mugabe, no poder desde 1980, mas os encontros deram poucos resultados. O ministro da Justiça, Patrick Chinamasa, disse ao Herald que a oposição está disposta a retornar à mesa de negociações apesar das ressalvas que tem sobre o papel de Mbeki.  Entretanto, a facção mais importante do MDC, liderada por Morgan Tsvangirai, anunciou que não negociará uma solução da crise até que não acabe a onda de violência contra seus partidários, que causou dezenas de mortes desde março.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.