Maxim Zmeyev / Reuters
Maxim Zmeyev / Reuters

Oposição síria anuncia início de diálogo com Assad

Discussões na capital russa são as primeiras realizadas desde que a segunda rodada das conversas de Genebra, em fevereiro do ano passado, terminaram sem nenhum tipo de acordo

O Estado de S. Paulo

28 de janeiro de 2015 | 20h17


MOSCOU - A oposição síria anunciou nesta quarta-feira, 28, o início das negociações com o regime de Damasco e negou que entre as condições impostas esteja a renúncia do presidente da Síria, Bashar Assad.

"Acho que o processo começou. A princípio, será difícil e devagar, mas já estamos avançando. Com o tempo iremos mais rápido e cada vez serão vistos mais resultados", disse à imprensa Qadri Jamil, um dos líderes opositores sírios e ex-vice-primeiro-ministro. O opositor destacou que o início das conversas sírias hoje, em Moscou, foi informal e apenas um "primeiro passo".

Ele explicou que a oposição aprovou um plano de dez pontos, adotado "quase com uninimidade" pelos opositores, para futuras negociações com Damasco, mas que não inclui como condição que Assad abandone o poder. "Ninguém colocou a questão do futuro de Assad. Esse assunto deve ser tratado sobre a base de Genebra-1 em Genebra. Aqui temos um encontro informal e de ofício", disse.

Entre outras coisas, o plano se refere à cessação dos bombardeios das zonas povoadas tanto por parte das forças governamentais como dos guerrilheiros, à troca de prisioneiros e à chegada de produtos e ajuda humanitária a todo o território nacional.

Além disso, também foi combinada a criação de uma comissão para investigar as violações dos direitos humanos e defendeu-se a suspensão das sanções internacionais contra a Síria.

As conversas de Moscou, nas quais Damasco está representada pelo embaixador sírio para a ONU, Bashar Jaafari, focam na situação humanitária no país árabe imerso em fortes combates entre as tropas governamentais e os insurgentes.

Nesta semana, Assad disse ter esperança porque "o que está ocorrendo em Moscou não são negociações sobre uma solução (ao conflito), são apenas os preparativos para uma conferência".

Na semana passada, o chanceler russo, Serguei Lavrov, afirmou que as conversas em Moscou são um passo para a criação das condições necessárias para iniciar negociações de paz com o amparo da ONU.

As discussões na capital russa são as primeiras realizadas desde que a segunda rodada das conversas de Genebra, em fevereiro do ano passado, terminaram sem nenhum tipo de acordo. Segundo os dados da ONU, o conflito sírio já provocou mais de 200 mil mortes desde que começou, em 2011. / EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
Bashar AssadSiriaMoscou

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.