Oposição síria condiciona presença em conferência de paz à saída de Assad

Coalizão pede um prazo, com garantias internacionais, para saída do presidente

Reuters,

29 Maio 2013 | 16h35

(Atualizada às 18h11) ISTAMBUL - A oposição síria disse nesta quarta-feira, 29, que só vai participar da conferência de paz programada para ocorrer em Genebra no mês de junho se for estabelecido um prazo, com garantias internacionais, para a saída do presidente Bashar Assad.

Na primeira reação oficial sobre a conferência, que está sendo preparada por Estados Unidos e Rússia, a Coalizão Nacional Síria votou pela adoção de uma declaração, à qual a Reuters teve acesso, na qual diz estar comprometida com a intenção de retirar Assad e suas autoridades mais graduadas do poder. A declaração, emitida no fim de sete dias de reuniões marcadas por disputas internas, exige "a remoção do cabeça do regime e do comando militar e de segurança."

As discussões em Istambul, na Turquia, foram marcadas por discordâncias dentro da coalizão a respeito de sua própria ampliação e da nomeação de uma nova liderança. A falta de unidade ameaça privar a aliança, dominada por grupos islâmicos, de apoio internacional.

Os 60 grupos que integram a coalizão até agora não chegaram a um acordo sobre um envolvimento mais amplo do bloco liberal da oposição, o que agradaria a governos árabes e ocidentais interessados em reduzir a influência islâmica na coalizão oposicionista.

Novos sinais de discordância entre os rebeldes surgiram nesta quarta-feira, 29, quando grupos de oposição dentro da Síria acusaram oposicionistas no exílio de prejudicarem a rebelião e de carecerem de legitimidade. Quatro grupos oposicionistas divulgaram nota criticando a "discórdia em curso" entre os exilados e dizendo que pelo menos metade da liderança da coalizão deveria ser composta por "forças revolucionárias".

Diplomatas dizem que a conferência de Genebra pode acontecer em meados de junho, mas funcionários governamentais no Oriente Médio afirmam que ela poderá ser adiada para julho. O governo sírio diz que não vai impor pré-condições à sua realização, mas que ainda não decidiu quem será seu representante.

Confrontos. Com apoio do grupo xiita libanês Hezbollah, que segundo a inteligência francesa teria fornecido 4 mil combatentes, o Exército de Assad está lutando para desalojar rebeldes de um reduto na fronteira libanesa. Suas tropas já obrigaram os rebeldes a recuar na província de Deraa (sul) e recapturaram algumas áreas próximas à periferia leste de Damasco, consolidando seu controle desde a capital até os bolsões litorâneos da minoria alauíta. Nesta quarta-feira, a TV estatal disse que as forças do governo capturaram uma base aérea próxima à cidade de Qusayr.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.