Oposição síria não participará de negociações de paz

A Coalizão Nacional Síria, principal grupo de oposição apoiado pelos países ocidentais, disse nesta quinta-feira que não vai participar das negociações de paz lideradas por Rússia e Estados Unidos enquanto massacres estiverem ocorrendo no país. A declaração enfraquece os esforços internacionais para colocar fim à devastadora guerra civil.

AE-AP, Agência Estado

30 Maio 2013 | 13h09

O porta-voz do grupo, Khalid Saleh, afirmou ainda que a oposição não apoiará qualquer esforço internacional de paz enquanto houverem interferências do Irã e do grupo libanês Hezbollah na Síria, que apoiam as forças do governo de Bashar Assad. O anúncio dos opositores veio apenas um dia após o ministro das Relações Exteriores sírio, Walid al-Moallem, declarar que o governo vai participar da conferência de paz prevista para acontecer em Genebra no mês de junho.

Al-Moallem, no entanto, definiu termos para as negociações de paz que contrariaram a oposição. Segundo o ministro, Assad permaneceria no cargo de presidente pelo menos até as eleições de 2014 e poderia se candidatar a um novo mandato. A Coalizão Nacional Síria insiste para que Assad deixe o cargo e a carreira política. Além dessa exigência, o ministro sírio disse ainda que qualquer acordo alcançado seria submetido a um referendo. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Síriaviolênciaoposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.