Oposição síria pede que Assad ponha fim à repressão

Dezenas de membros da oposição síria pediram neste domingo que o presidente Bashar

AE-AP, Agência Estado

18 Setembro 2011 | 11h02

Assad ponha fim à violenta ofensiva de seis meses ou enfrente a intensificação de protestos pacíficos no país, depois que as forças de segurança dispararam tiros de alerta para dispersar jovens estudantes que pediam a queda do regime.

Uma reunião no final de semana atraiu mais de 200 expoentes da oposição, incluindo o escritor Michel Kilo e Hassan Abdul-Azim, que lidera o não reconhecido partido União Democrática Socialista Árabe. Também foi notório o fato de o encontro ter sido realizado dentro da Síria, e não em um país vizinho, como aconteceu com a maioria dos outros.

Um comunicado divulgado após a reunião pediu que o regime de Assad imediatamente acabe com os "atos de repressão" e incitou os manifestantes a manter o movimento pacífico e não ser ceder ao conflito armado. Membros da oposição também reiteraram que se opõem à intervenção internacional na Síria, embora pessoas nas ruas tenham pedido ajuda externa não especificada.

A revolta popular na Síria começou em meados de março em meio a uma onda de protestos no mundo árabe que derrubou os autocratas da Tunísia, do Egito e da Líbia. Assad respondeu com força em uma repressão que, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU), já matou aproximadamente 2.600 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.