Oposição tailandesa aceita oferta de premiê, mas segue nas ruas

BANGCOC

AP, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2010 | 00h00

Os "camisas vermelhas", que há dois meses paralisam a Tailândia com uma onda de protestos contra o governo que deixou 27 mortos e mais de 1.000 feridos, aceitaram ontem o principal ponto de um pacto proposto na véspera pelo premiê Abhisit Vejjajiva, que prevê a antecipação das eleições para 14 de novembro. No entanto, os líderes do movimento advertiram que só suspenderão definitivamente a mobilização depois de conhecer detalhes da proposta, que tem ainda outros quatro pontos-chave. "Nós ainda ficaremos (nas ruas de Bangcoc), mas, se um acordo puder ser alcançado, penso que poderíamos sair em breve", disse Weng Tojirakarn, um dos líderes do movimento que atraiu principalmente trabalhadores rurais do interior do país.

Os manifestantes pressionam o governo a dissolver o Parlamento antes de setembro, quando o cronograma político tailandês determina que haja uma troca no comando das Forças Armadas.

O lado que obtiver maioria no Parlamento terá influência decisiva na nomeação dos novos comandantes militares, dizem analistas.

Ontem, milhares de "camisas vermelhas" permaneciam entrincheirados num grande acampamento montado há várias semanas em pleno centro da capital, Bangcoc. / REUTERS e

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.