Oposição tailandesa elege premiê sob protestos

Economista de 44 anos é o quinto chefe de governo em dois anos; derrotados acusam militares de ''golpe silencioso''

, O Estadao de S.Paulo

16 de dezembro de 2008 | 00h00

Em meio a uma nova onda de protestos, o Parlamento tailandês elegeu ontem o economista Abhisit Vejjajiva, do Partido Democrata, para o cargo de primeiro-ministro - o quinto a ocupar a vaga em pouco mais de dois anos.Vejjajiva recebeu 235 votos e seu concorrente, Pracha Promnok, do partido Puea Pandin, 198. Com o resultado, a oposição assumiu o controle do governo e tornou-se o novo alvo dos protestos que há dois anos tumultuam a Tailândia.Após a divulgação dos resultados, pelo menos 200 simpatizantes do antigo governo cercaram o prédio do Parlamento e atacaram vários veículos com paus e pedras, acusando o novo primeiro-ministro de governar sob a proteção e a influência dos militares.A nova onda de protestos ameaça trazer de volta ao país os violentos distúrbios que levaram à queda, no dia 2, do primeiro-ministro Somchai Wongsawat.Na ocasião, o aeroporto da capital, Bangcoc, foi ocupado por milhares de manifestantes, obrigando o cancelamento de todos os vôos.ELITISTAVejjajiva, de 44 anos, é um dos rostos mais conhecidos entre os opositores à coalização que governou o país por sete anos, o que o converteu imediatamente em alvo dos ex-governistas.Ele nasceu em Newcastle, na Grã-Bretanha. Seu pai e sua mãe eram professores de Medicina. Ele estudou em Eton e Oxford, onde se graduou em economia, política e filosofia; além de ter sido professor acadêmico na Tailândia.Vejjajiva entrou para o Partido Democrata em 1992 e, com 27 anos, converteu-se em um dos membros mais jovens do Parlamento tailandês.Com tantos títulos e distinções, seus opositores dizem que ele terá de conseguir um visto no passaporte para visitar as áreas rurais do país.O sucesso da aliança política que permitiu sua vitória contra o ex-chefe da polícia tailandesa, Promnok, dependerá do apoio de alguns dos partidos que antes eram seus maiores opositores.Segundo simpatizantes do antigo governo, a coligação que levou Vejjajiva ao poder só foi possível graças a um "golpe silencioso" das Forças Armadas.Eles acusam os militares de ter pressionado os partidos menores a fazer parte de uma nova coalizão que permitisse uma mudança sem violência."Se ele conseguir ficar mais de três meses no poder, eu o saúdo", disse Pavin Chachavalpongpun, do Instituto de Estudos do Sudeste Asiático de Cingapura. "Desculpe por ser tão pessimista.""No médio prazo, nós ainda veremos se essa coalizão é capaz de ser mantida, justamente por causa da dependência que ela terá dos pequenos partidos ", disse Nick Bibby, do banco Barclays Capital.REUTERS E AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.